Esfinge

Tour pelas pirâmides de Gizé e Djoser


O passeio mais desejado em todo Egito é conhecer as pirâmides de Gizé, umas das 7 Maravilhas do Mundo e a única restante da lista original criada pelos gregos no século II A.C.. Conto como foi o tour de um dia, a partir do Cairo, com parada em Mênfis e visita para conhecer a produção tradicional de papiros.

Antes aviso, o passeio todo é uma aula de história muito mais interessante do aprendido na escola. Pra quem sempre se interessou pelo tema, é como abrir uma gaveta adormecida no cérebro e receber um turbilhão de informações. Prepare-se!

O texto continua após os serviços recomendados no destino.

AGILIZE SUA VIAGEM
Precisa de seguro viagem? Acesse Next Seguro Viagem e use o cupom TERRDESC.

Quer ficar conectado como eu fiquei? Leve o chip de dados desde o Brasil

Se prefere viajar de forma independente, agende passeios e transfer agora na Get Your Guide ou saiba como funciona

Quer ir para o Egito comigo? Clique no botão para mais informações.

https://www.instagram.com/p/BiziZ0th5D3/

Tour pelas pirâmides de Gizé e Djoser

O guia Mahmoud, falando em português com sotaque, me buscou no hotel e foi contando sobre como aprendeu português e curiosidades vistas no caminho até Mênfis. Ao cruzarmos o Rio Nilo por uma ponte, ele explicou que as famosas pirâmides não estão no Cairo, e sim nas cidades de Mênfis e Gizé. O motivo da localização é a base da crença dos egípcios no sol e como nossa vida está relacionada ao astro. Ele nasce no leste, percorre todo o céu e se põem no oeste. Da mesma forma, moradores do Cairo viviam no leste e eram enterrados no oeste. Ou seja, desde a criação da capital, o outro lado do Rio Nilo é o cemitério dos faraós e as pessoas importantes que os rodeavam.

Esfinge representa o rei Tutmósis III, no Museu Mit Rahina, em Mênfis
Esfinge representa o rei Tutmósis III, no Museu Mit Rahina, em Mênfis

Mênfis, a primeira capital do Egito antigo unificado

Antes da primeira parada, Mahmoud fez um resumo de como era o Egito antes da unificação e quem foi o responsável pelo do início do período mais glorioso do Egito. Quando Menes fundou Mênfis, por volta de 3.000 A.C. A cidade toda é Patrimônio Mundial da UNESCO e um bom ponto de partida é o Museu Mit Rahina. Com áreas a céu aberto e outras cobertas, exibe monumentos milenares e gigantescos como a estátua de Ramsés II.

Ouvi uma introdução sobre hieróglifos e descobri que foram usados pela primeira vez, justamente, em Mênfis. A escrita dos egípcios conta como eram suas vidas e crenças e instiga nossa imaginação desde sempre. Até determinada época, eram usadas no interior das pirâmides e mastabas (túmulos dos não faraós em formato retangular) para o morto se situar quando acordasse na nova vida. Os faraós deslumbrariam um paraíso perfeito, já os outros deveriam ler como era a sua vida antes de falecer. Me encantei ao ver hieróglifos ao vivo e a cores na próxima etapa do passeio.

Estátua de Ramés II
Estátua de Ramsés

 

no Museu Mit Rahina, em Mênfis
foi esculpida em pedra única,

 

no Museu Mit Rahina, em Mênfis
em Mênfis

 

Entrada do complexo Imhotep e Saqqara
Entrada do complexo Imhotep e Saqqara

Complexo Imhotep e Saqqara

Ainda não é a mais famosa das pirâmides do Egito, mas o principal atrativo em Saqqara é a Pirâmide de Djoser, ou pirâmide escalonada. A primeira construção monumental em pedra do mundo. Foi construída pelo arquiteto do faraó Djoser atendendo a solicitação de algo mais elaborado para guardar seus pertences para a vida após a morte. Afinal, um túmulo funerário deveria ter tudo o que o morto pudesse precisar quando se acordasse na nova vida.

O portal de entrada no complexo é outra grandiosidade, exibe as primeiras colunas erguidas de todos os tempos e elas continuam em pé com as pedras lisas dos milênios de polimento natural. Só o corredor de colunas já é uma sensação única, ao final, vem a Pirâmide de Djoser e a história completa contada e desenhada pelo guia. Ele usa um graveto e a areia do chão para me contar. O lugar é o mais antigo conjunto arquitetônico funerário egípcio. O complexo Imhotep e Saqqara é formado por pirâmides e mastabas.

Pirâmide de Djoser, a primeira construção em pedra do mundo
Pirâmide de Djoser, a primeira construção em pedra do mundo

 

Hieróglifos de Saqqara
Hieróglifos de Saqqara

 

Primeiras colunas erguidas no mundo
Primeiras colunas erguidas no mundo

Novas descobertas arqueológicas

Mesmo com 4,700 anos de existência e bastante explorada, arqueólogos ainda encontram surpresas como confirmaram semana passada. Acharam, em bom estado de conservação, uma tumba de 4,400 anos que parece ter sido de um sacerdote. Leia a notícia publicada em jornais nacionais e internacionais.

Dentro da Pirâmide de Teti

Estive lá em maio deste ano, entrei na pirâmide e jamais imaginei ser possível ainda desenterrar tumbas intactas. O interior é belíssimo, repleto de hieróglifos (das paredes ao teto) e um condutor local querendo extorquir dinheiro dos turistas.

É proibido fazer qualquer registro lá dentro, avisou o meu guia deixando eu entrar sozinha com o responsável. Porém, quando alcançamos o salão, o condutor permitiu as fotos com a condição de não contar a ninguém porque era proibido, ele deixaria porque gostou de mim. Quando avisei estar pronta para sair, ele cobrou dinheiro pelo favor e ainda reclamou ser pouco! A iluminação era lanterna e eu nem queria fazer a foto porque a qualidade seria ruim, tirei porque ele insistiu e fui obrigada a ouvir isso.

Hieróglifos no interior da Pirâmide de Teti
Hieróglifos no interior da Pirâmide de Teti

 

Hieróglifos no interior da Pirâmide de Teti
Hieróglifos surgiram em Mênfis

Enfim, a experiência de entrar em uma pirâmide não é das mais agradáveis e vou contar mais detalhes no final. Gostei mais de entrar nas tumbas ao redor, eram de pessoas importantes para o faraó e exibem desenhos impressionantes.

As Pirâmides de Gizé
As Pirâmides de Gizé

As pirâmides de Gizé

Não muito longe dali, agora na cidade de Gizé, veio o mais esperado dos atrativos, a Necrópole de Gizé. O sítio arqueológico onde ficam as pirâmides: Quéops, Quéfren e Miquerinos, além da Esfinge. Todos no mesmo complexo e com diferentes possibilidades de perspectivas. Pode entrar, passear de camelo, caminhar ao redor e colocar todas na mesma foto indo até o mirante. Deste ponto é possível ver como a cidade fica perto e o cenário é diferente do normalmente divulgado.

Quéops, também conhecida como a Grande Pirâmide, é a maior delas erguida por trabalhadores à pedido do Faraó Quéops. As demais são do seu filho e neto. E ainda tem outras menores nos arredores, provavelmente para as mulheres da família.

Quéfren é a única com resquício do revestimento original no topo
Quéfren é a única com resquício do revestimento original no topo

A Esfinge de Gizé é a guardiã das pirâmides. Possuí cabeça de faraó e corpo de leão, ou seja, inteligência do faraó com a bravura do leão. Toda esta imponência não ajudou em nada, pelo contrário, chamou atenção e foram todas saqueadas no mesmo milênio. Em frente acontece um show de luzes para quem fica até de noite e paga a mais por isso.

Quéops ao fundo
Quéops e a Esfinge ao fundo

 

Miquerinos
Miquerinos

A seguir teve um almoço com o privilégio da vista para as pirâmides. O restaurante Abou Shakra serve comida árabe deliciosa e, pelo tarde da hora, haviam poucas pessoas para competir pelas melhores mesas do andar mais alto.

Almoço com vista
Almoço com vista

Museu do Papiro

Para finalizar o tour, uma parada no Key of Life, uma espécie de museu do papiro com demonstração individual de como é feito o papel mais antigo do mundo. Te oferecem chá, te tratam bem e respondem todas as perguntas, inclusive, me levaram para ver obras lindas em uma sala escura. Quando percebem que não escolhi peça alguma, ficam chatos querendo oferecer algo cada vez mais barato. Então falei para o meu guia o meu desejo de não comprar nada e ele disse sem problemas. Mesmo assim, o gerente veio falar comigo na saída insistindo para eu não sair sem uma recordação. Se a ideia for comprar, aproveite o momento para pechinchar.

Como é entrar em uma pirâmide

Cada pedra é quase do meu tamanho
Cada pedra é quase do meu tamanho

Definitivamente, não é para qualquer um. É proibitivo para quem tem alergias, problemas de mobilidade e dores na coluna. E foi uma boa ideia ter visitado Saqqara antes de Gizé para ter uma ideia, em menor proporção e sem custos extras, de como seria entrar na Grande Pirâmide. A mais famosa cobra ingresso à parte e não tem hieróglifos. É importante pelo contexto e há quem diga não existir ir ao Egito e não explorar as pirâmides por dentro. Pois, estando ali na frente, não tive a menor vontade, me contentei por ter entrado na Pirâmide de Teti.

Pra começar, entra em um buraco e deve seguir por metros caminhando agachada por um corredor estreito. Então veio o ataque de alergia que me fez ir batendo as costas no teto a cada espirro. Foi um alívio chegar ao salão para ficar em posição ereta novamente, mas a sensação ruim de estar entupida só passou no dia seguinte, e ainda havia o mesmo caminho para sair da pirâmide.

Por isso, somado ao calor dos meses mais quentes, o clima seco, a poluição em todos os sentidos e por eu estar mentalmente cansada depois de tanta informação, decidi não entrar e não me arrependo. Uma dica para quem faz questão é levar um lenço ou máscara para evitar a poeira, também beber muita água. Talvez eu me prepare melhor e entre em uma próxima oportunidade. 

Veja o meu roteiro completo

Miquerinos e Cairo ao fundo
Miquerinos e Cairo ao fundo

Saiba como tirar o visto para o Egito e outras dicas

Veja mais fotos de Gizé e Mênfis:

Uma das tumbas de Saqqara
Uma das tumbas de Saqqara

Hieróglifos em Saqqara
Hieróglifos em Saqqara

 

Esfinge de Gizé
Esfinge de Gizé

 


Tome Nota: tour pirâmides de Gizé e Djoser

O relatado acima foi um resumo, afinal se eu contasse todo o aprendido, escreveria um livro. Recomendo, contratar o passeio com a Hórus Viagens e experimentar na pele esta viagem pela história da humanidade. Aproveite o desconto de 10% para os leitores do Territórios que mencionarem terem lido aqui.

O passeio para conhecer as pirâmides leva um dia inteiro, principalmente para quem se hospeda no centro por causa do trânsito. Mênfis fica cerca de 30 km do Cairo, Guizé fica 16 km. Mencionei a Grande Pirâmide por estar aberta no dia da visita, a entrada é permitida também em Quéfren, mas depende da decisão das autoridades saber qual estará aberta aos visitantes. Bilhetes de entrada no sítio estão inclusos no pacote, entrada e permissão para fotos são adquiridos no local em separado.

Uma boa alternativa é se hospedar nos resorts em Guizé, são mais modernos e tem vista privilegiada.
ENCONTRE HOTÉIS EM GIZÉ

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 12 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.