Jordânia: turismo e dicas aos viajantes


Para finalizar a série de artigos sobre turismo na Jordânia, deixo as dicas aos viajantes. A compilação de todos os questionamentos que me fazem, além de informações úteis e práticas para fazer um giro seguro pelo país. 

Jordânia é um destino surpreendente e repleto de aventuras na natureza, mas é preciso ter alguns cuidados com questões culturais, principalmente nós mulheres. Antes, deixo claro que em nenhum momento me senti insegura ou constrangida. No entanto, o desconfiômetro sempre grita em lugares onde a população muçulmana é maioria. E ainda há o fato de estar em meio a uma zona de conflitos, embora a confusão dos vizinhos não altere a tranquilidade do país.

A primeira recomendação é respeitar a cultura e as regras. Depois pareceu mais seguro contratar traslados, se hospedar em hotéis com boas referências e sair em grupos para quem não fala nada de árabe como foi o meu caso. Mas sem paranoias! Abuse da intuição, relaxe quando se sentir confortável, não tenha receio de conversar com os locais e nem perca oportunidades de viver grandes experiências por medo. 

Acesso rápido:Quanto custa | Visto | O que levar | Segurança | Os locais | Religião | Culinária | Transporte | Mapa

Jordânia: turismo e dicas aos viajantes

A Jordânia é um país no Oriente Médio espremido ao leste pela Arábia Saudita e Iraque; ao norte pela Síria; a oeste por Israel; além do Egito, do outro lado do Mar Vermelho. Embora pequeno em tamanho, é grandioso em história, cenários e experiências capazes de agradar diferentes públicos.

Como é o clima e quando ir

Jordânia possuí clima desértico (semi-árido e seco), portanto, a variação da temperatura é contrastante entre o dia e a noite o ano todo. Os meses de outubro, novembro, março e abril são os mais indicados para evitar o calor intenso. Em maio e setembro também vale, mas as temperaturas aumentam. Entre dezembro e fevereiro é inverno e pode ser rigoroso com neve e chuva. Algumas atrações até fecham pelo perigo de inundações.

Visitei em maio e não vi chuva, porém, teve tempestade de areia em Wadi Rum no início do mês.

Se a viagem cair no período do Ramadã, os cuidados são maiores para evitar contratempos com a população local. Jamais consuma bebidas ou alimentos ao ar livre durante o dia e verifique quais serviços estarão funcionando antecipadamente. Tudo o que precisa pode ser encontrado ou consumido durante a noite nos dias da celebração.

Quanto custa viajar pela Jordânia

A princípio, não é barato porque a moeda deles vale mais que o dólar e o nosso real anda bem desvalorizado. Por outro lado, custa menos quando comparado a Israel, por exemplo. Se considerar hospedagem e alimentação, sai bem em conta. O caro são transporte, restaurantes turísticos e entrada em alguns parques como Petra e Wadi Rum. Neste caso não tem jeito, esses atrativos imperdíveis valem todo o investimento. O gasto médio fica por volta dos 100 dólares por dia e pode variar bastante conforme o seu estilo de viagem e exigências.

Moeda e câmbio 

O Dinar Jordaniano (JD), moeda oficial do país, vale cerca de US$1,40 e tem se mantido estável desde a viagem (2018) até a data deste texto. A dica para pegar as melhores tarifas é levar dólar e trocar por Dinar ao chegar (troquei no aeroporto mesmo). Eu perdi dinheiro porque levei euro pensando que seria mais fácil de trocar pela proximidade com a Europa. Além disso, Grécia seria o destino na sequência. O ideal é avaliar próximo a data da partida qual moeda está mais valorizada e acertar na escolha. Eu sabia disso e esqueci de conferir. Não faça o mesmo!

Documentação

Brasileiros precisam de visto e passaporte com validade mínima de seis meses. O visto pode ser feito ao chegar no aeroporto, se a visita for de até 30 dias, ou adquirindo o Jordan Pass. Seguro viagem e vacina da Febre Amarela não são obrigatórios, mas as autoridades locais sempre podem mudar de ideia na hora.

Jordan Pass

Uma alternativa econômica é adquirir o Jordan Pass pela Internet até 12 meses antes da viagem. O passe dá direito a ingresso em várias atrações por duas semanas, além do visto. Afinal, somente os custos com o visto e o ingresso em Petra já valem fazer o Jordan Pass. A única exigência é 4 dias de permanência mínima no país. Se ficar menos tempo, a taxa será cobrada pela imigração na hora da partida. Se sair do país e voltar como eu fiz, o Jordan Pass perde a validade como visto, só vale na primeira entrada. O passe custa entre 70 e 80 JD em 2019, a diferença é pelo número de dias em Petra.

Recatada até demais e morrendo de calor no Mar Morto
Recatada até demais e morrendo de calor no Mar Morto

Como se vestir e o que levar

Confesso ter exagerado tapando todo o meu corpo (pescoço para baixo) no primeiro dia. Não era pra tanto em um calor bastante intenso. A mulher pode se vestir como quiser, inclusive usar biquíni nas praias, porém, o indicado é vestir-se de forma recatada. Evite decotes e comprimentos ousados e ombros de fora em lugares mais frequentados por locais. Uma boa solução é andar de calça-bermuda e echarpe, ou casaco leve por cima de uma blusa cavada, e usar conforme se sentir confortável. 

Viajando com uma jordana, notei ela vestindo bermuda e regata para fazer as trilhas. No entanto, quando chegávamos perto de alguma comunidade, ela logo vestia a blusa mais folgada para evitar constrangimentos. Ela disse que a mente das pessoas esta bem mais aberta, mas não custa respeitar quem ainda pensa de forma mais tradicional. 

Itens essenciais: óculos, protetor solar, echarpe, repelente e bom senso.

Jordânia é seguro

Sim, Jordânia é mais seguro do que eu poderia imaginar. Logo na chegada a Amã, tive a primeira comprovação disso. Atordoada pelas longas horas de voos e conexão somado ao excesso de vigilância da imigração (pedidos para tirar eletrônicos da mala), acabei deixando o meu notebook no carrinho, solto em frente ao aeroporto, quando entrei no táxi. Percebi 20 minutos depois e liguei para a pessoa que havia me recebido (o lado bom de ter um chip internacional ou local desde o início da viagem). Tranquilamente, ele disse para não me preocupar, pois, deveria estar no mesmo local e ele iria verificar para mim.

Dito e feito, o computador foi encontrado intacto mesmo com o movimento intenso de pessoas circulando na via pública. Ele guardou e combinou um lugar para me entregar, 5 dias depois eu estava com o meu equipamento em mãos novamente. Imagina se fosse no Brasil?!! 

Isto acontece, além da boa índole dos locais, devido à lei severa contra roubos e furtos. Durante a viagem, ouvi relatos de turistas perdendo câmera fotográfica ou celular e todos conseguiram reaver seus objetos pela boa vontade dos jordanos. Além disso, o país tem noção do território tenso onde está inserido e toma precauções contra terrorismo e situações de violência. Por isso, o policiamento e os detectores de metal  nos lugares com maior circulação de turistas. Todas as grandes redes de hotéis pedem para ver a bolsa no raio-x e obrigam a passar pelo detector mesmo o segurança sabendo o seu nome por estar hospedada ali.

Os locais: mulheres, jordanos e beduínos

É raro ver mulheres trabalhando e interagindo com turistas ou com outros homens na Jordânia, mas não impossível ou proibido. A primeira impressão é clube do Bolinha e Luluzinha ser a regra, ou seja, cada grupo convive apenas com o seu gênero ou com a sua família. Somente em um hotel familiar encontrei mulheres fazendo tarefas comuns e abertas à comunicação, no deserto Wadi Rum elas até fizeram uma demonstração dos afazeres culinários, contudo, o marido, filho ou irmão que falava por elas. As meninas (até os 10 – 12 anos) parecem ter mais liberdade e vontade de interagir, brincam de forma igual com seus irmãos e os visitantes.

Dias depois, parti em uma viagem acompanhada por dois guias de gêneros opostos e o conceito mudou bastante. Fouad é muçulmano praticante, escalador, viajante e sócio do receptivo criado pela família tradicional, porém, ousada para os padrões locais. Já Hana é cristã dentro de uma família metade muçulmana, escaladora, viajante e funcionária do Fouad. A amizade entre eles é como eu tenho com meus amigos e isto não é exclusivo deles, me levaram a lugares em Amã onde amigos, independente do gênero, se encontram para fazer o que gostam como acontece em qualquer cidade aqui no Brasil. 

Hana e Fouad
Hana e Fouad

Passeamos durante três dias no carro dela, dirigido por ela e posso dizer como ele era quem menos opinava sobre as decisões da viagem. O resultado da boa convivência foi um convite para celebrar o Ramadã na família dele.

Cumprimentos

Os homens se dão múltiplos beijos na bochecha quando se encontram, mas isso é entre eles, se acabou de ser apresentado, talvez receba apenas um sorriso, ou não. Cheguei tímida para celebrar o Ramadã na família de Fouad e me surpreendi por alguns virem até a mim e pedirem um abraço no maior respeito. Então, fica a dica, cumprimente com sorriso contido e aguarde a reação da pessoa antes de fazer o que tem vontade. Por questões culturais, a simpatia em excesso pode ser interpretada de forma equivocada pelos homens.

Dica: estenda sempre a mão direita, a esquerda não é bem vista por ser destinada à higiene pessoal. Faz sentido em lugares onde os locais lavam as mãos esfregando a areia do deserto ao invés de água e sabão.

Povo Beduíno

Família de beduínos em Wadi Rum
Família de beduínos em Wadi Rum

Beduínos são os árabes nômades que circulam pelo Oriente Médio desde antes do islamismo. As famílias costumavam se deslocar em camelos, com todos os seus pertences, e dormir em tendas conforme as estações do ano. Com a globalização, a maioria tem se adaptado, fixado residência e encontra no turismo da Jordânia uma fonte de renda.

Beduíno
Beduíno em Petra
O guia Marwan no ponto mais alto a Jordânia
O guia Marwan no ponto mais alto a Jordânia

Idioma

Árabe é a língua oficial, mas o inglês é falado com facilidade pelos locais.

Acesso rápido: Quando Ir | Quanto custa | Visto | O que levar | Segurança | Os locais | Religião e Ramadã | Culinária | Transporte | Mapa

Religião

Jordânia é um país de maioria muçulmana, mas cristãos, judeus e outras religiões convivem pacificamente e com tolerância religiosa. Por exemplo, eu, de cabelo curto viajando sozinha pelo Oriente Médio, certamente atraí menos olhares preconceituosos do que mulheres vestindo burca em qualquer cidade do Rio Grande do Sul.

É importante se atentar ao dia da reza porque o comércio não funciona nas sextas-feiras. Os dias úteis na Jordânia vão de domingo a quinta-feira. Já no mês sagrado do Ramadã, tudo muda e o planejado deve ser mais cuidadoso. 

Ramadã

A grande maioria dos restaurantes (salvo os turísticos) abre apenas após a quebra do jejum, em seguida do pôr do sol. Nesse período, o horário de atendimento dos estabelecimentos comerciais costuma abrir na madrugada.

Ramadã é o grande feriado muçulmano, quando os fiéis não trabalham e fazem jejum (do nascer ao pôr do sol) durante 1 mês. Reforçando novamente, deve-se respeitar a crença e não comer ou beber em público durante o dia para evitar atrair atenção indesejada.

Deve-se informar sobre os horários de funcionamento dos estabelecimentos durante o Ramadã. Embora tudo pareça estar fechado, vários serviços funcionam no seu interior. Por exemplo, fiz um lanche em uma cafeteria no meio da tarde em Amã, do lado de fora, cortinas fechadas, cadeiras para cima e silêncio, para quem entrasse no seu interior, tudo estava funcionando normalmente. Da mesma forma, almocei e bebi cerveja em pub irlandês no Mar Morto, mas não consegui tomar um café expresso em uma loja de conveniência da estrada. Estava aberta e havia um funcionário, ele disse para eu pegar o que quisesse e deixar o dinheiro no caixa. Não me daria troco ou ligaria a máquina do café por ser Ramadã. Peguei um café gelado industrializado, salgadinhos e pronto, não passei fome durante o Ramadã viajando pela Jordânia.

Quando acontece o Ramadã? 

A data varia anualmente de acordo com o calendário lunar. Em 2019 será de 5 de maio a 4 de junho.

Transporte e como circular na Jordânia

O Aeroporto Internacional Rainha Alia, distante 25 km da capital Amã, é a principal porta de entrada no país para quem chega por via aérea. Já turistas em Israel, costumam atravessar a fronteira em Eilat a pé. É o ponto indicado como o mais tranquilo e pela proximidade a Petra. Em ambos destinos não existe transporte público. As opções são alugar carro (para quem compreende a sinalização em árabe), contratar traslado ou excursão, ou pegar um táxi. Usei as duas últimas e me senti segura para deslocamentos curtos ou longos como vir do Mar Morto ao aeroporto em táxi. Apenas se certifique que o taxímetro esteja ligado ou combine o preço antes de partir. A dica para mulheres é sentar no banco de trás por questão cultural, afinal, já vivi contratempos ao tentar fazer diferente em outro país muçulmano e não foi legal.

Em geral, as estradas são boas e as três principais cruzam o país de norte a sul, onde estão os pontos turísticos. Evite a região Nordeste e a fronteira com a Síria até a situação melhorar. Quem optar pelo aluguel de carro, deve portar a Permissão Internacional para Dirigir e ficar atento ao trânsito, pois, as regras nem sempre são respeitadas. A direção é mão direita como no Brasil.

Acesso rápido: Quando Ir | Quanto custa | Visto | O que levar | Segurança | Os locais | Religião e Ramadã | Culinária | Mapa

Estrada secundaria próximo ao Monte Nebo
Estrada secundaria próximo ao Monte Nebo

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 12 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.