Jordânia: roteiro

Maravilhas da Jordânia: roteiro de 10 dias

Acabei de voltar de uma viagem surpreendente pelo Oriente Médio. Além de achar o destino mais interessante do roteiro, Jordânia pareceu ser o melhor preparado para receber turistas aventureiros. Não só aqueles que desejam percorrer a Terra Santa, mas principalmente amantes das atividades ao ar livre. O país tem cenários de cinema, locais engajados com o ecoturismo e diversidade cultural.

Conto como foram meus dias com algumas modificações para servir melhor ao seu roteiro. Ao total, passei 13 dias percorrendo o país do centro ao sul pela fronteira oeste, porém, participei de uma feira e parti para o Egito e Grécia antes de conhecer Dana. Só então voltei ao Brasil. O próximo passo será contar as melhores experiências em relatos detalhados, portanto, quando encontrar uma palavra em vermelho, clique para saber mais sobre o local. E lembre de voltar aqui para ler os novos artigos.

Acesso rápido: MAPAAMÃAQABA | DANAMAR MORTOPETRA | WADI RUM

Siga @blogterritorios no Instagram

Siga no Instagram 

Precisa de seguro? Acesse Next Seguro Viagem e use o cupom TERRDESC para descontos. Saiba como comprar online

Saia do Brasil conectado com o chip de celular da EasySim4U

Jordânia: roteiro de 10 dias parte I

Jordânia: roteiro
Monte Nebo
Espetáculo Petra by Night
Espetáculo Petra by Night

Dia 1 – Introdução ao país e rumo à Petra

Cheguei no início da madrugada e fui direto para o hotel Grand Hyatt Amman para uma necessária e confortável noite de sono. Em seguida do café da manhã, encontrei a equipe do receptivo Rahhalah Explorers e os demais viajantes que iriam participar do roteiro “As Maravilhas da Jordânia” por 5 dias. 

Pegamos a rodovia Dead Sea (Mar Morto) rumo à Petra e fomos parando em pontos interessantes, sempre ouvindo as explicações do guia Raed Suleiman. O trajeto é massante de informação, contudo, uma introdução obrigatória para começar a compreender o país, a cultura e a história das religiões mais importantes. Estávamos na Terra Santa!

A Igreja Ortodoxa de Madaba com o mapa bizantino da Terra Santa; o Monte Nebo, onde Moisés viu a terra prometida e local do seu falecimento; e um dos mirantes no Mar Morto foram os principais pontos. No fim da tarde alcançamos Petra, pegamos um delicioso shawarma de rua como jantar e fomos para a apresentação Petra by Night.

Onde comer: Al Numeira é um grupo de voluntários que trabalha sustentabilidade com a comunidade local e oferece experiências gastronômicas típicas para os visitantes. Experimentamos um banquete no almoço e tudo foi preparado utilizando tonéis embaixo da terra.

Hotel em Petra: Petra Panorama Hotel é confortável e lindo pela vista, mas ofereceu o pior café da manhã da viagem. Como o destino é muito turístico e lota o ano todo, os serviços nem sempre são os melhores.

Diversas opções de trilha em Petra
Diversas opções de trilha em Petra

Dia 2 – Trilhas em Petra e rumo ao Mar Vermelho

Dia de explorar Petra e descobrir que uma das Novas Sete Maravilhas do Mundo é apenas o atrativo mais famoso. O parque era uma cidade inteira esculpida nas rochas coloridas pelo povo Nabateu, ancestrais dos árabes (cerca de 300 A.C.). Existe a parte mais turístico e também uma série de trilhas, curtas ou longas, para passar até três dias percorrendo. 

Caminhamos com poucas paradas por cerca de 7 horas subindo e descendo até mil metros de altura. Paramos para almoçar no meio da tarde e seguimos para Aqba, único pedaço de oceano da Jordânia.

Onde comer: My Mom’s Recipe serve comida típica em local agradável. No terraço tem sofás e ambiente decorado com muitos tapetes.

Hotel em Aqba: Oryx Hotel não tem a melhor localização por ser longe da praia, porém, é confortável. Tem bar com bebidas alcoólicas permitidas e um restaurante com comida internacional para todas as refeições do dia.

O nome do Mar Vermelho vem da cor da areia
O nome do Mar Vermelho vem da cor da areia

Dia 3 – Mergulho no Mar Vermelho

Teve passeio de barco, snorkel e mergulho com cilindro pelo Golfo de Aqba. Mas nem precisa navegar para ver a riqueza marinha do Mar Vermelho. Entrando pela areia, entre as praias de South Beach e Tala Bay, já começa a ver os corais. Com fôlego para nadar, pode ir até o local onde está um avião ou um tanque de guerra afundados. Consegui ver os dois com boa visibilidade. Objetos inusitados, mas possíveis em uma fronteira por vezes conturbada entre Israel, Egito e Arábia Saudita. Jordânia fica no meio deles e ganhou este território de mar do Egito há poucos anos.

Aqaba é mais moderna por ser nova e tem astral de praia com calçadão na beira mar, bares com mesas na rua e restaurantes de frutos do mar. Fim de tarde e noite foram propícios para uma caminhada e compras.

Onde comer: Stacoza serve frutos do mar com tempero do Oriente Médio e sucos naturais com menta. Para provar um doce típico, experimentei o Kunafa da House Kunafa AlShamia para compartilhar porque é grande.
Um dos cenários mais bonitos da viagem fica em Wadi Rum
Um dos cenários mais bonitos da viagem fica em Wadi Rum

Dia 4 – Acampamento com beduínos no deserto Wadi Rum

Pegamos a rodovia do Deserto rumo ao cinematográfico Wadi Rum. Cenário de filmes como Marte, Transformers e tantos outros. No caminho, paradas para ver os trens do antigo Expresso Oriente e a montanha Seven Pillars of Wisdom.

O objetivo era chegar ao acampamento organizado por uma família de beduínos e ter experiências da sua rotina. Entre elas, alimentar dromedários, tomar leite de cabra direto da fonte, fazer o pão típico com as mulheres, tomar o melhor chá da viagem e preparar o almoço e o jantar todos juntos. Quando o sol baixou um pouco, partimos para uma aventura 4×4 com vistas espetaculares, adrenalina e um pouco de história até o pôr do sol. 

Vista do topo de Umm ad Dami lembra Marte
Vista do topo de Umm ad Dami dá pra entender porque dizem ser o cenário de Marte

Dia 5 – Trilha para Umm ad Dami e rumo ao Mar Morto

O dia começou no meio da madrugada rumo à fronteira com a Arábia Saudita, ali fica a  montanha Umm ad Dami, o ponto mais alto da Jordânia. Tomamos um café da manhã improvisado na sua base e começamos a subida até seus 1854 metros de altura. Teve chá lá em cima e a descida foi rápida, antes das 10 horas da manhã já estávamos à caminho do Mar Morto para participar do Adventure Next Near East.

  • QUEM LEVA
O roteiro acima foi todo organizado e guiado pela Rahhalah Explorer. Uma empresa de Dubai também atuante no Kwait e Jordânia. Os três fundadores foram os primeiros árabes a escalarem as maiores montanhas do planeta e trouxeram a técnica e paixão pela aventura como diferencial ao receptivo. Com os guias Marwan Douleh e Samer Abu Dagga sempre terá um briefing detalhado e tudo estará sobre controle (imprevistos são prováveis neste tipo de roteiro, mas me senti em mãos experientes para situações de emergência).

Jordânia: roteiro de 10 dias parte II

A partir deste ponto inverto a ordem real dos acontecimentos da minha viagem para ser mais funcional para o leitor. Afinal, os três dias no Mar Morto foram em função da conferência de aventura, além das atrações a seguir estarem mais ao sul, no caminho para Wadi Rum. Acabei passando pelo Mar Morto em três momentos diferentes e o mais prático seria parar no início ou no final da viagem. Ou seja, depois ou antes da capital Amã. Enfim, resumo o meu roteiro de 13 dias em 10 diminuindo o tempo no Mar Morto.

Pôr do sol em Dana
Pôr do sol em Dana

Dia 6 – Pôr do sol na Reserva da Biosfera Dana

Encontrei Foaud Kalbouneh e Hana Nimry, da agência Treks, para um roteiro privativo com algumas aventuras intensas. Pegamos a estrada Kings Road em direção à Dana e fui ouvindo explicações sobre cultura e natureza local. Além de curiosidades históricas como aquela ser a mesma Rota da Seda, que conectava comercialmente o ocidente com o oriente, e fez da Jordânia um território neutro de passagem desde aquela época. 

Chegamos só a tempo de ver o pôr do sol, mas quem vem de Wadi Rum pode escolher algumas das trilhas pra fazer durante o dia ou explorar os belos cenários ao redor do hotel. O jantar foi um banquete servido em uma única mesa para todos os hóspedes. A maioria europeus viajando de forma independente.

Hotel em Dana: Dana Tower Hotel é bem peculiar e familiar. Os proprietários utilizaram as ruínas de uma comunidade de 500 anos como base para os quartos e estrutura da propriedade. É tudo enjambrado com mescla de vários estilos e alguns têm uma baita vista. As refeições são inclusas e são uma atração pela diversidade de pratos típicos. Depois do jantar pode ter música ao vivo sob a luz das estrelas e opções de trilhas guiadas durante o dia não faltam.
Trilha no interior de Wadi El Ghuweir
Trilha no interior de Wadi El Ghuweir

Dia 7 – Trilha percorrendo um rio por dentro de Wadi El Ghuweir

Wadi El Ghuweir foi a trilha mais bonita e longa da viagem. Durante 8 horas seguimos o curso de um rio que brinca de se esconder no subsolo e nas rochas de um cânion. Podendo variar em até 10 metros de altura conforme a época do ano. Maio é um mês ideal por ser depois das chuvas de abril. Com tempo para o nível baixar para cerca de 1 metro, mas a quantidade de água é sempre uma incógnita, assim como o caminho, pois muda todos os anos devido a enxurrada. El Ghuweir é um dos poucos lugares refrescantes e verdes do país pra fazer trilhas no verão.

Depois de 19 km, chegamos perto do ecolodge onde passei a noite e vivi mais experiências com beduínos. Chá delicioso, pôr do sol com poeira que deu um toque especial nas fotos, jantar à luz de velas e uma aula sobre estrelas e planetas no telescópio localizado no terraço. O tempo seco e a ausência de luz faz da região local perfeito para observar estrelas.

Hotel em Arabic: Feynan Ecolodge é um hotel 100% auto sustentável no meio do deserto. Produzem ali mesmo tudo o que consomem, as suítes são a luz de velas e os funcionários são todos beduínos vivendo na região. Oferecem vivências com eles, algumas oficinas e trilhas guiadas. Existe energia solar, mas é limitada.
Enfrentando a correnteza em Wadi Mujib
Enfrentando a correnteza em Wadi Mujib

Dia 8 – Canionismo em Wadi Mujib

Depois do café da manhã no ecolodge, fomos explorar minas de cobre desativadas nos arredores. Sem turistas por perto, encontramos rastros de cobra, escorpião amarelo, e morcegos voando, além dos veios de cobre em meio às paredes brancas dos túneis. 

Então pegamos a estrada rumo ao Mar Morto para o que seria a última grande aventura da viagem. Wadi Mujib é um cânion por onde correm as águas em excesso de uma represa até desaguar no Mar Morto. Virou um parque de aventuras com diversas atividades como canionismo, nossa escolha do dia. Adentramos no cânion contra a correnteza e enfrentando vários obstáculos até alcançarmos uma cachoeira. A ida é tensa, já a volta dá pra relaxar um pouco se deixando levar pelo fluxo. Depois de horas brincando na água, a fome vem violenta e ali perto tem um shopping com boas opções.

  • Quem leva
Treks é outro receptivo super profissional para atividades ao ar livre. Seu diferencial é valorizar as comunidades locais e a hospedagem familiar. Foi pioneira no turismo de aventura na Jordânia por instigar a população a explorar seu próprio país e isto ajudou a transformar o cenário, inclusive foi a origem da Jordan Trail, uma das atuais travessias cobiçadas do mundo. Os dois guias que me acompanharam são atletas montanhistas. Eles deixaram a viagem leve e divertida, mesmo nos momentos tensos.
Banho no Mar Morto é tratamento de beleza
Banho no Mar Morto é tratamento de beleza

Dia 9 – Banho de lama no Mar Morto

Mar Morto é como chegar no spa para relaxar. Ainda mais se a hospedagem for em um daqueles resorts com praia privativa e diversas opções de lazer sem precisar sair do hotel. Visitei três: Kempinski, Marriott e Crowne Plaza e a melhor praia foi exatamente onde eu estava, no Crowne Plaza. O mar mais salgado do mundo é o mesmo para todos, o que muda é a estrutura e o preço. Curti o hotel durante o dia e deixei um momento para o ritual obrigatório: passar a lama no corpo, deixar secar e boiar com vista para a Palestina (Israel fica mais para o sul).

Não é comum encontrar bebida alcoólica no país em função da religião, mas as maiores redes de hotéis tem bares e os turistas aproveitam. O único lugar onde encontrei drinks em local aberto ao público foi nesta zona. No shopping próximo aos hotéis, tem dois pubs bem animados com cervejas europeias e comida boa.

Onde comer e beber: Dubliners Irish Pub ou Rovers Return são os dois pubs, um ao lado do outro, dentro do Shopping Samarah Mall. Os cardápios dos dois são variados e abrem inclusive no Ramadã, nesta época apenas as mesas da rua são fechadas, dentro funcionam normalmente.

Dia 10 – Mar Morto e de volta a Amã

Tomei o café da manhã, aproveitei mais um pouco do hotel e parti para a capital. Desta vez acompanhada por Foaud e Hana. A dupla me mostrou uma Amã jovem, cosmopolita e tradicional ao mesmo tempo. Viajar com eles fez toda a diferença para compreender a cultura urbana atual e abrir horizontes sobre Oriente Médio. Então lamentei meu voo partir naquela noite. E foi tanta informação em poucas horas de city tour que não cabe neste roteiro. O certo é ficar de 2 a 3 dias com bate volta até Jerash (para ver ruínas romanas preservadas), o único destino que nem cheguei perto e senti falta nesta viagem.

Vista para as ruínas de Amã
Vista para as ruínas de Amã
Onde comer: Primal Restaurant traz um conceito saudável e moderno para o chá da tarde e outras refeições. Já o Shams El Balad resgata a comida local e artesanal em uma casa antiga e estilosa.

Hotel no Mar Morto: Crowne Plaza oferece diferentes suítes em pequeno prédios. A minha foi muito confortável com varanda e vista para o mar. A piscina central é gigante e o café da manhã é daqueles para ficar dias experimentando sem repetir.

Mapa da Jordânia: roteiro de 10 dias

Acesso rápido: MAPAAMÃAQABA | DANAMAR MORTOPETRA | WADI RUM

Jordânia: roteiro em vídeo

O vídeo a seguir foi filmado e editado durante a primeira semana da viagem pela equipe de storytelling da Adventure Travel Trade Association (ATTA). Posso dizer que visitei todos esses lugares, mas nem sempre na hora da filmagem. Se for atento, vai me encontrar no início dos trinta segundos.

Tome Nota

Para fazer este roteiro a partir do Brasil, é preciso reservar mais três dias para os aéreos e conexões em aeroportos porque não existem voos diretos. A diferença no fuso horário é de seis horas para frente. A dica é começar gradualmente a acordar mais cedo, assim, nem vai sentir o jet leg nos primeiro dias.

©Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Esta viagem foi um convite da ATTA para participar do Adventure Next Near East na Jordânia.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 12 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.