Bonito: um guia para planejar a viagem


Escrevi um guia para orientar o planejamento da sua viagem a Bonito. Afinal, o destino de ecoturismo mais organizado do Brasil exige agendamento prévio e um certo investimento de tempo e dinheiro. Já mencionei como acho chato alguns cuidados, mas são necessários para preservação e responsáveis por dar visibilidade internacional ao destino.

Faz alguns anos que viajei para Bonito e contei as vivências em artigos por aqui. Mas ano passado participei da sensacional feira de turismo Adventure Next Latin America, em Campo Grande (MS), e me atualizei sobre o destino. Na verdade, pouca coisa mudou e as dicas publicadas continuam válidas. Hoje as opções de atrativos e serviços aumentaram, assim como a quantidade de turistas. Portanto, juntei neste espaço todas as dicas (minhas e de outros viajantes) e incluo um passo a passo para otimizar o seu planejamento da viagem.

Bonito: um guia para planejar a viagem

Siga esses passos para otimizar o seu tempo e clique nos links para ajudar na escolha dos atrativos e serviços:

  1. Determine seu limite de orçamento (se isto não for problema, ignore!);
  2. Pesquise e escolha quais atividades quer fazer;
  3. Verifique se os passeios favoritos estarão funcionando na época desejada e se realmente é o melhor período;
  4. Avalie os três itens acima e veja se todas as conclusões se encaixam no seu tempo disponível para viajar;
  5. Só então compre as passagens e comece a fazer as reservas. Mas atente a esses dois pontos:
    • Fazer o seguro viagem primeiro, garante o uso da cobertura contratada em caso de cancelamento por motivo de saúde;
    • Os passeios mais concorridos devem ser agendados 1 mês antes, no mínimo, ou 6 meses antes se for feriadão, ou alta temporada.
  6. Monte uma programação diária com as localizações próximas no mesmo dia para otimizar o transporte. É importante saber que os preços são tabelados e alguns são vendidos exclusivamente por agências locais, embora possa fazer tudo pela Internet. Além disso, atrativos extras, refeições e transporte nem sempre estão inclusos.

7. Por fim, confirme se todos os agendamentos e reservas estão corretos antes de partir.

Qual a melhor época para viajar para Bonito?

Viajei em fevereiro e responderia melhor a pergunta Quando não ir para Bonito?, inclusive relatei no texto para onde não viajar nos feriados, principalmente para quem vai pela primeira vez. A chuva atrapalhou a transparência da água na maioria dos passeios e trouxe muitos mosquitos (e repelentes são proibidos antes de entrar na água). Apenas as nascentes estavam cristalinas e dois dos atrativos mais famosos estavam fechados: Gruta Azul e Abismo Anhumas. Por outro lado, o volume de água nas cachoeiras, deixa o banho mais energético. A temporada de chuvas é no nosso verão, de dezembro a março.

Já Lilian viajou em agosto e gostou muito do clima quente, visibilidade nos mergulhos e volume moderado de turistas por ser baixa temporada. O período de seca vai de maio a setembro. Para combinar com safari no Pantanal, agosto e setembro são os mais secos e os animais se concentram onde há água, ou seja, mais fácil de avistá-los.

A temperatura dos rios mantém a média o ano todo de 20°, enquanto a temperatura fora d’água varia dos 15º aos 25º. Ou seja, vale o ano todo, apenas evite feriados como Carnaval e Ano Novo se quiser economizar dinheiro e paciência, afinal, as filas e os preços aumentam.

Julho acontece o Festival de Inverno de Bonito, geralmente na última semana do mês.

Centro de Bonito
Centro de Bonito

Quantos dias para aproveitar Bonito

O mínimo indicado são 6 dias considerando dois sem passeios na chegada e na partida. Eu fiquei 8 dias e foi bom no mês de fevereiro, em outras épocas há mais opções de atrativos.

Qual o melhor aeroporto para ir para Bonito?

Há voos direto para Bonito, mas podem ser bem mais caros e não são diários. A outra opção é voar até Campo Grande (capital de Mato Grosso do Sul) e lá pegar uma van compartilhada (Lilian escolheu uma que a deixou na porta do hotel), transporte privativo ou alugar um carro (minha escolha).

Como circular 

Em Bonito poucas atrações ficam perto da cidade e não existe transporte público. As opções são contratar um carro com motorista, alugar carro, transfer em van ou alugar bicicleta, respectivamente do mais caro ao mais barato pensando em 2 pessoas. Se forem mais pessoas, alugar um carro não fica tão caro e tem a liberdade do ir e vir quando e onde quiser. Apenas não confie plenamente nas rotas sugeridas pelo Google Maps, confirme os caminhos com os locais para não se perder como aconteceu conosco mais de uma vez. 

Bicicleta é o mais econômico, mas é preciso fôlego, pois o atrativo mais perto são cerca de 12 km ida e volta. A maioria fica mais longe. Lilian usou transporte compartilhado e gostou por não precisar se preocupar com o caminho e já ir conhecendo as pessoas do grupo. Eu aluguei carro com amigos, no entanto, escolhemos passeios diferentes e optei por transporte privativo em alguns dias. Rosa, nossa motorista, foi uma excelente companheira e deixo o fone dela 67 96699494.

As estradas no período da chuva são verdes e de terra vermelha. É possível avistar tucanos, seriemas, araras, vacas, cavalos e outros animais nas colinas ao redor
As estradas no período da chuva são verdes e de terra vermelha. É possível avistar tucanos, seriemas, araras, vacas, cavalos e outros animais nas colinas ao redor

Onde se hospedar em Bonito?

Se estiver sem carro, o ideal é buscar um hotel ou pousada no centro de Bonito. É mais fácil sair para jantar, caminhar a noite e conhecer o comércio local. Os atrativos estarão longe de qualquer forma, portanto, a escolha principal será pela infraestrutura desejada. Eu fiquei em uma pousada bem simples e meus amigos em hostel, nenhum de nós ficou satisfeito com a escolha. Por isso recomendo avaliar os comentários no Booking.com.

Nos arredores de Bonito há hotéis e fazendas interessantes com passeios próprios, vale avaliar o custo-benefício dos serviços oferecidos, principalmente se estiver de carro ou contratou transporte privativo.

Onde comer

Não deixe de provar os peixes da região (como pacu, pintado e traíra), a carne de jacaré e os buffets caseiros estilo comida de fazenda, alguns são verdadeiramente em fazendas como os oferecidos em alguns passeios. O caldo de piranha é famoso, mas achei bem sem graça.

Casa do João é o restaurante mais conhecido de Bonito e a experiência foi tão agradável que rendeu um texto só para ele. Têm pescados, carne de jacaré, hospitalidade e loja de artesanato.

Tapera serve os peixes de água doce com fartura e variedade de temperos.

Pastel Bonito tem a carne de jacaré no cardápio como recheio da massa frita na hora.

O que fazer em Bonito

Bonito é a cidade com melhor infraestrutura e reconhecimento na região Serra da Bodoquena, que também engloba atividades em Jardim e Bodoquena. Pantanal pode ser incluso no roteiro por ficar poucas horas dali. Os passeios são realizados na zona rural desses municípios, cujas estradas estão bem conservadas, sendo algumas delas de chão batido. Em geral, são sítios que possuem toda estrutura necessária para receber bem o turista e oferecem outras atividades além da principal.

Como reservar os passeios 

Bonito é um dos lugares mais organizados do mundo quando se trata de passeios de ecoturismo. Nem adianta chegar direto ao atrativo sem ter comprado o voucher e agendado horário. É preciso adquirir antes com agência de viagens ou site de venda de ingressos e marcar conforme datas e horários disponíveis. O turismo local criou um sistema integrado entre todas as atrações e quem vende os ingressos, desta forma conseguem se organizar, manter a qualidade e limitar o número de visitantes por dia para causar o mínimo impacto ambiental. Portanto, os mais procurados lotam mais rápido. E alguns fecham em determinadas épocas do ano por causas naturais como a Lagoa Misteriosa ou a Gruta do Lago Azul que estava com algas na época da minha visita.

Saiba como reservar passeios pela Get Your Guide ou TourOn

Como montar o roteiro

Escolha ao menos uma flutuação, a atração imperdível de Bonito, e então divida o tempo entre os outros estilos como grutas, cachoeiras, trilhas, safari, esportes radicais e balneários. O ideal é pegar um de cada e complementar o roteiro com as atividades que mais gosta de fazer. Recomendo o máximo de flutuações possíveis, mesmo parecidas, cada lugar proporciona uma experiência única.

Se não fizer o agendamento com antecedência, a sua primeira escolha pode estar lotada nos passeios mais concorridos. Portanto, deixe possíveis substituições definidas na hora da pesquisa.

Flutuação

O melhor de Bonito é a experiência de flutuar em uma nascente e ser levado no seu curso natural. Um momento único dedicado a observar o mundo subaquático em seu ritmo próprio. Todas as flutuações são atrativos de meio turno que podem ser combinadas com atividades extras oferecidas pela propriedade. Sempre haverá uma trilha fácil que leva ao ponto de partida (umas curtas e outras um pouco mais longas) passando por dentro da mata ciliar que protege e mantêm as águas cristalinas. 

No valor de cada passeio estão inclusos o armário nos vestiários, equipamentos de mergulho (roupa e bota de neoprane, coleta salva vidas, máscara e snorkel) e um ou dois instrutores. Alguns podem oferecer almoço, outros não. Clique nos links em vermelho para ler os meus relatos ou ir direto para a venda de ingressos.

Flutuação no Rio da Prata
Flutuação no Rio da Prata

Rio da Prata é o mais caro e cansativo, mas vale o investimento. A dica é deixar ele por último se for fazer mais de uma flutuação. Todas as experiências são interessantes, mas perdem a graça depois de ter feito a melhor. 

Aquário Natural foi a flutuação mais colorida e cheia de vida. É especialmente indicada para crianças, deficientes físicos e quem não sabe nadar. O rio é raso e o trajeto é curto. Se ficar cansado, pode pedir carona no bote que acompanha ou auxílio do instrutor dentro d’água. Inclusive, meu grupo havia uma pessoa com fobia de mergulho e o atendimento com ela foi impecável. 

Sucuri e Barra do Sucuri acontecem no mesmo rio de águas transparentes e correnteza suave. A diferença é a primeira incluir a nascente e a segunda ter um barco que acompanha um pouco mais adiante (mais barata e sem atividades extras). Se for época de chuva, opte por Sucuri porque as nascentes têm melhor visibilidade.

Nascente Azul dizem ser parecida com o Rio da Prata, porém, sem a parte cansativa por não ter a correnteza. Teria feito se estivesse disponível na época da minha visita.

Praia da Figueira e Hotel Cabanas também oferecem atividades de flutuação, mas não se compraram as mencionadas acima.

Maior cachoeira do Mato Grosso do Sul
Boca da Onça é a maior cachoeira do Mato Grosso do Sul e pode descer de rapel

Rapel e Mergulho

Não cheguei a visitar o Abismo Anhumas, que dizem ser páreo duro com Rio da Prata entre as melhores atrações de Bonito, mas deixo a dica da melhor época. Entre final de dezembro e início de fevereiro os raios de sol entram na fenda e o efeito deve ser perfeito nas fotos. O passeio é o mais caro de todos, dura um dia e precisa fazer um teste de capacidade dias antes. Quem não é certificado para mergulho, pode fazer snorkel e rapel de 72 metros.

Lagoa Misteriosa leva esse nome pela profundidade de 75 metros de um tom azul indescritível, dizem os visitantes, Uma pena estar fechada na época da minha visita. É local para mergulhar com cilindro ou snorkel durante meio dia. 

Boca da Onça é a maior cachoeira do Mato Grosso do Sul e pode descer de rapel.

Caverna

Gruta do Lago Azul está na lista de passeios imperdíveis da Lilian e também estava fechada em fevereiro, infelizmente. O acesso inicial é difícil para quem têm problemas de mobilidade, mas a recompensa vem em forma de um lago azul em meio a estalactites e efeitos óticos. Não pode mergulhar, apenas observar e dura um turno.

Gruta São Miguel
Gruta São Miguel

Gruta São Miguel é a opção para entrar em uma caverna quando a outra está fechada. Tem jardins bonitos, mirante para ver a região, o acesso é mais fácil e começa com uma caminhada pela copa das árvores em uma ponte suspensa. Dentro se escondem morcegos e corujas brancas em meio a estalactites e formações diferentes. Pouco mais de uma hora é suficiente para ela, mas se já conhece outras cavernas interessantes, é dispensável.

Gruta São Mateus é um atrativo mais recente que tem agradado os turistas principalmente pela atenção dos guias. É parecido com a anterior com acréscimo de museu de antiguidades.

Birdwatching e vida animal

Buraco das araras era uma antiga caverna que o teto desabou e hoje abriga centenas de araras, cerca de 200 entre agosto e novembro. Em um fevereiro chuvoso vi umas dez encolhidas e encharcadas. Mas as fotos em dias ensolarados me deixam com vontade de voltar na época certa. O passeio dura quase duas horas e os melhores horários são pela manhã cedo ou final de tarde. Além de observar as aves, há árvores gigantes, um cenário interessante e ananás do cerrado, um tipo de abacaxi. Pode cancelar se a previsão do tempo for ruim ou não, pelo menos fornecem uma boa capa de chuva.

Recanto Ecológico Rio da Prata e a Estância Mimosa oferecem observação de aves dentro das suas propriedades. Assim como cavalgadas também disponibilizadas no Parque Ecológico Rio Formoso e Rio Sucuri.

Projeto Jibóia é uma das poucas atrações noturnas na cidade de Bonito. Inclusive, se a hospedagem for próxima pode ir a pé antes de sair para jantar. É um show onde o apresentador e criador de cobras Henrique desmistifica o medo das serpentes por serem feias e geladas, além de explicar sua importância para o meio ambiente. O destaque é o momento da foto com a cobra no pescoço.

Jiboia é linda e nem estava gelada
Jiboia é linda e nem estava gelada

A Fazenda São Francisco é o mais perto do Pantanal e o mais longe de Bonito (160 km). Pela manhã acontece um safari em carro 4×4 e caminhadas. Depois do almoço típico de fazenda, um passeio de chalana com pesca de piranhas e observação de aves.

Balneários 

Balneários são as praias de rio para relaxar, flutuar ou tirar uma soneca ouvindo o barulhinho das águas. Há estrutura de bar, vestiário e atividades.

Balneário Municipal fica muito perto de Bonito e repleto de peixes piraputangas. Tanto eu quanto Lilian optamos por esse, o mais barato.

Praia da Figueira traz uma estrutura melhor que inclui caiaque, espreguiçadeiras, pedalinhos e pranchas de SUP. Há também opções de quadriciclo, mergulho com cilindro e passeio de barco.

Balneário do Sol é o mais indicado para famílias com crianças por sua estrutura.

Balneário Ilha Bonita é o mais arborizado e o nome faz o trocadilho por ser a maior ilha de Bonito. Há tirolesas e trampolins.

Trilhas, cachoeiras e arvorismo

Embora quase todos os passeios envolvam trilhas curtas, as mais interessantes são entre uma cachoeira e outra.

Boca da Onça Eco Tour é nome do parque onde pode fazer a trilha mais longa de Bonito. São cerca de 4 km passando por mata nativa, um circuito de cachoeiras, oportunidades de banho e uma escadaria de 800 degraus. Os mais animados podem contratar o rapel no pacote ou passar o resto do dia na piscina. O passeio é de um dia com almoço incluso.

Trilhas entre cachoeiras no Rio do Peixe, em Bonito
Trilhas entre cachoeiras no Rio do Peixe

Rio do Peixe oferece circuito de cachoeiras com paradas para banho, salto em poço transparente e tirolesa. Ao final, o proprietário faz um show nos apresentando os animais que vivem ali como macacos e araras. O tour dura o dia e o almoço estilo comida de fazenda esta incluso no pacote.

Estância Mimosa e Parque das Cachoeiras dividem o mesmo circuito de cachoeiras com paradas para banho. A diferença dizem ser o charme da sede da primeira e a opção de tirolesa na segunda, visitei apenas a sede do Parque das Cachoeiras. Ambas servem almoço de fazenda que deve ser comprado na reserva e a duração varia conforme a sua vontade, pode ir por um turno ou ficar o dia todo. Observação de aves e cavalgadas podem ser contratadas como extra na Estância Mimosa.

Fazenda Corê oferece o segundo circuito mais longo de cachoeiras (4 km) com paradas para banho antes do almoço incluso no pacote. A tarde acontece a visita a uma caverna inundada e banho na nascente.

Ybirá Pe é um circuito de arvorismo nas margens do Rio Formoso. O percurso pela copa das árvores chega a 20 metros de altura por 8 km.

Boia-cross e bote inflável

MM Expedições e Bonito Way organizam aventuras de boia-cross e bote inflável no Rio Formoso. Fiz este último achando que seria um rafting, mas o rio estava muito cheio para ter fortes emoções. O melhor foi ter ido em grupo animado que travou uma guerra d’água com os outros botes. Cada atividade exige um turno.

Rio Formoso cheio e barrento na época das chuvas
Rio Formoso cheio e barrento na época das chuvas

Hotel Cabanas disponibiliza boia-cross, caiaque, trilhas, arvorismo e flutuação para os hóspedes, mas também abre para turistas que reservam com antecedência.

Dica para quem se preocupa com o cabelo: leve pente, shampoo, creme sem enxágue e saia dos mergulhos com um visual mais arrumado.

O que levar na mochila: roupa de banho e íntima para trocar ao final dos passeios, toalha, câmera a prova d’água, hidratante, saco estanque, casaco leve, tênis de caminhada e repelente para usar na saída.

Quando chove 50 ml na noite anterior, alguns passeios não valem a pena. A água fica barrenta e turva por uns 2 dias. As nascentes continuam boas desde que não chova mais de 80 ml disseram os locais.

Atenção para o fuso horário, em alguns períodos do ano antecede em uma hora ao horário oficial de Brasília.

Cavernas de calcário, o material funciona como filtro e por isso as águas da região são cristalinas
Cavernas de calcário, o material funciona como filtro e por isso as águas da região são cristalinas
Garça pescadora
Luz perfeita para fotografar animais no sul do Pantanal
Água transparente na nascente do Rio da Prata
Água transparente na nascente do Rio da Prata
Experiência única com rios de água doce
Experiência única com rios de água doce

Acesso rápido:Comece por aqui | Quando ir | Como chegar | Onde ficar | Onde comer | Os passeios | Mapa

Mapa

Saiba a posição de todos os locais mencionados no texto. Itens em azul foram verificados por nós, em verde são recomendados por outros viajantes.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 13 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.