Uma Porto Alegre

Uma Porto Alegre tri turística


Receber amigos que moram longe, uns no Paraná e outros nos Estados Unidos, despertou a guia de turismo que há em mim e, logo no começo desse ano, passei a observar minha cidade natal – e endereço atual – de outra forma, com um olhar de quem dobra a esquina e descobre uma novidade. E foi assim, empurrada pela missão de ser uma boa anfitriã, que acabei revendo os pontos que mais gosto de Porto Alegre. A capital dos gaúchos, que é mais conhecida como um destino empresarial, reserva boas surpresas para aqueles que se dispõem a fazer uma parada por aqui.

Catedral Metropolitana
Catedral Metropolitana

Aqui compartilho parte do roteiro que fiz com meus visitantes e que permite conhecer um pouco dessa cidade localizada mais ao Sul do Brasil e que conta com mais de 1,5 milhão de habitantes e se orgulha do seu Lago Guaíba, que um dia já teve status de rio, e de ter um dos mais belos pôr-do-sol do País.

Uma Porto Alegre tri turística

O primeiro passeio envolveu uma caminhada pelo viaduto Otávio Rocha, na Avenida Borges de Medeiros, até a Rua Duque de Caxias, no CENTRO HISTÓRICO. No coração dessa região fica a PRAÇA DA MATRIZ, na qual se destaca o monumento ao político Júlio de Castilhos. Ao seu redor estão importantes símbolos da capital: a Catedral Metropolitana, o Palácio Piratini (sede do governo estadual), a Assembleia Legislativa (que conta em uma das fachadas com mural criado pelo artista Vasco Prado), o Palácio da Justiça, o Forte Apache (prédio histórico restaurado onde fica o Palácio do Ministério Público) e o THEATRO SÃO PEDRO, verdadeiro patrimônio cultural dos porto-alegrenses.

Museu de arte do RS
Museu de arte do RS
Mural de Vasco Prado na Assembleia
Mural de Vasco Prado na Assembleia

O trajeto continuou em direção à PRAÇA DA ALFÂNDEGA, na Rua dos Andradas, ou como é mais chamada por aqui: a Rua da Praia. Os nomes estão relacionados à proximidade dessa área com o Guaíba e com o primeiro prédio alfandegário erguido nesse espaço. É entre seus jacarandás que todos os anos ocorre a maior Feira do Livro a céu aberto da América Latina. No entorno da praça estão o Museu de Arte do Rio Grande do Sul, o Memorial do Estado e o Santander Cultural, um dos meus locais favoritos por sua arquitetura e exposições de arte contemporânea. Isso sem falar no seu cinema que funciona no antigo cofre do banco, que preservou a porta original como entrada do ambiente. Nesse momento, a praça está em obras devido ao projeto Monumenta, que tem a intenção de revitalizar a região.

Jardim Lutz na Casa de Cultura Mário Quintana
Jardim Lutz na Casa de Cultura Mário Quintana

Na Rua da Praia está também a CASA DE CULTURA MARIO QUINTANA, outro local especial para mim. É nesse antigo hotel de cor salmão que o poeta gaúcho morou até morrer. Ao ser transformado em espaço cultural, o complexo recebeu o nome de seu residente mais ilustre. Os andares da edificação viraram ambientes para a arte e reúnem salas de teatro, de exposições, bibliotecas, cinemas e o Jardim Lutzenberger, uma homenagem ao ambientalista José Antonio Lutzenberger. No último piso, fica o CAFÉ SANTO DE CASA, que oferece uma das vistas mais bonitas para o lago. Nada melhor que aproveitar o fim de tarde olhando o sol se pôr nesse lugar cheio de história.

Mercado Público
Mercado Público
Fonte Talavera
Fonte Talavera

Dois outros pontos complementaram nossa jornada pelo Centro: a USINA DO GASÔMETRO e o Mercado Público. O primeiro é uma antiga usina de energia convertida em espaço cultural, com cinemas, teatros e áreas para exposições e feiras. No lado de fora, o Guaíba e sua orla. Já no MERCADO PÚBLICO (que fica ao lado da prefeitura e da fonte Talavera de La Reina, doação do governo espanhol pelo centenário da Revolução Farroupilha, e que simboliza o marco zero de Porto Alegre) há opções de restaurantes com comida e doces regionais, a tradicional banca 40 e sua famosa salada de frutas com sorvete, e inúmeras lojas com alimentos, bebidas, temperos e verduras frescas.

Parque da Redenção
Parque da Redenção

Coração verde

Depois da forte caminhada, peguei leve com meus amigos nos outros dias e os outros passeios foram mais contemplativos. No domingo, a pedida não poderia ser outra além da Redenção e do Brique. REDENÇÃO é como chamamos o Parque Farroupilha, uma imensa área verde que separa as avenidas João Pessoa e Osvaldo Aranha, próximo ao Centro. No parque fica ainda o Araújo Vianna, palco de apresentações musicais que ficaram na memória de muitos e que deve ser reaberto, espera-se, no próximo ano. Já o BRIQUE é uma feira de artesanato e antiguidade que se espalha pela Rua José Bonifácio, em frente à Redenção. Sua inspiração vem da Feira de San Telmo, em Buenos Aires (Argentina), e é mais um programa clássico para os porto-alegrenses.

Cena de Tangos e Tragédias
Cena de Tangos e Tragédias

O roteiro com meus amigos, que foi bem curto, terminou com uma ida ao teatro. Para aqueles que se aventurarem na cidade entre janeiro e fevereiro, como eles, é imperdível assistir a peça TANGOS E TRAGÉDIAS, no Theatro São Pedro. Em cartaz há 27 anos, a temporada é uma tradição no verão gaúcho. Vale muito a pena mesmo tendo que enfrentar o calor insuportável que faz nessa época do ano. Se puder escolher a estação para sua viagem, recomendo o inverno, quando é possível aproveitar melhor as atrações e a gastronomia local, com muita carne e pratos de origem italiana e portuguesa.

A cidade em 80 minutos

Para quem tem pouco tempo em Porto Alegre, uma sugestão é fazer o passeio com o ônibus da Linha Turismo. São três roteiros oferecidos pela Secretaria de Turismo local, o clássico (que percorre, por exemplo, o Centro Histórico, bairros como o Moinhos de Vento, Independência e Cidade Baixa); da Zona Sul, caracterizada por áreas mais verdes e onde estão o Bairro Ipanema e a Praia do Lami; e temático com visita guiada pelos estádios do Grêmio ou do Internacional.

Veja mais fotos de Porto Alegre:

Porto Alegre

Porto Alegre Porto Alegre

 

Leia a sugestão de roteiro de final de semana em Porto Alegre

Tome Nota

A cidade oferece ainda muitas alternativas de bares, restaurantes e hospedagem. A Cidade Baixa (um dos bairros boêmios da Capital), por exemplo, ganhou recentemente o seu primeiro hostel: o CASA AZUL. E foi nessa região que fechei minha programação, com idas aos meus bares preferidos, a PINACOTECA (na Rua da República), o BRECHÓ DO FUTEBOL e a TOCA DA CORUJA (na Lima e Silva com a Olavo Bilac). Saúde!

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Tatiana Gappmayer

Tatiana Gappmayer

Tatiana Gappmayer Jornalista, cinéfila, apaixonada por mapas e livros de arquitetura e mochileira.

2 comentários

  1. Antes de tudo, parabéns pelo blog, achei ele lindo! haha
    Adorei o post sobre Porto Alegra, a forma que foi escrito, as dicas de roteiros e as fotos. Muito bom!

    Mariana

  2. Amo demais Porto Alegre, cidade que me adotou por tantos anos! Ler teu post me encheu de saudades da época em que eu morei na capital gaúcha. Todos esses lugares lindos, os programas culturais de sobra e principalmente a cordialidade do povo me incitam a voltar sempre que estou pela Terrinha.
    Ótimo texto, Tati! Beijos!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Chame via WhatsApp