Uluru

Turistas não poderão mais escalar Uluru


Os responsáveis por Uluru-kata Tjuta National Park votaram pela proibição da prática de escalada ao monolítico Uluru. Uma das grandes maravilhas naturais do mundo é considerado por muitos como o centro espiritual da Austrália.

E este foi o principal motivo da decisão que vem sendo discutida há anos. Em entrevista, Sammy Wilson reafirmou a importância do lugar dizendo que jamais deve ser um playground como os parques da Disney. E a decisão deve ser respeitada assim como os aborígenes respeitam as leis do país. Subir Uluru estará proibido a partir de outubro de 2019.

Siga @blogterritorios no InstagramSiga no Instagram
Pôr-do-sol em Uluru
Pôr-do-sol em Uluru

Quando estive no parque, confesso que fiquei com vontade de subir, mas desisti ao tomar conhecimento do efeito negativo causado na cultura local, além dos riscos à minha vida. Na época escrevi um texto contando o que aprendi e questionei a opinião do leitor. Hora de resgatar este artigo publicado em outubro de 2011.

Uluru: mais uma aventura x respeito aos aborígenes

Em frente ao monolítico Uluru brincando com a perspectiva
Em frente ao monolítico Uluru brincando com a perspectiva

Situado no coração da Austrália, o Red Center é assim chamado por seus tons avermelhados. Também conhecido por abrigar um ícone famoso – Uluru.

Ayer Rock ou ULURU, para os aborígenes e atualmente nome oficial, fica no Uluru-Kata TJuta National Park a 461 km de Alice Springs. É a segunda maior formação rochosa do mundo. Tem 348 metros de altura e 8 quilômetros de circunferência, sendo muito maior embaixo da terra, é como um iceberg que ainda não foi medido.

Uluru também impressiona pela sua mudança de cores durante o dia que varia conforme a iluminação. O nascer e o pôr-do-sol são imperdíveis e existe um lugar reservado para assistir. Veja a mudança de cores nesta galeria de fotos.
Mudança nas cores acontece rápido no pôr-do-sol
Mudança nas cores acontece rápido no pôr-do-sol

Como se formou o monte Uluru e a quem pertence

A origem vem de 500-600 milhões de anos quando a maior parte do território australiano era coberto pelo mar. O tamanho era maior e o formato era outro, foi a erosão de milhares de anos a responsável por deixar paredes lisas e formas arredondadas. Em sua última transformação foi uma ilha rodeada por um lago que acabou secando e virou o árido deserto atual. A pedra é formada pelo acúmulo de arenito e minerais que influenciam nas cores como o ferro que causa a oxidação visível de perto.

Em 1985 o governo australiano devolveu as terras de Uluru aos aborígenes locais – os Anangu, que permitiram a criação do parque nacional e a construção de estrutura para turistas. Porém, uma grande polêmica persiste – escalar Uluru ou respeitar a cultura aborígene.

Detalhe da pedra que deixam fotografar mostra a erosão
Detalhe da pedra que deixam fotografar mostra a erosão

A importância de Uluru para os aborígenes

Base Walk
Base Walk

Para o jovem aborígene se tornar adulto e poder ter sua própria família, ele precisa sobreviver no deserto até aprender na prática uma série de ensinamentos – o Walkabout. Quando ele volta, a prova final era escalar Uluru. E essa, na minha opinião, é a maior questão que devemos respeitar a vontade deles. Imagine o que passa na cabeça desses jovens quando veem pessoas subindo somente pelo prazer e com a ajuda de equipamentos, enquanto eles são obrigados a escalar sem tênis, corda, água ou qualquer equipamento para provar que podem fazer parte da sociedade. É um conflito cultural! Como  a maioria das pessoas não respeita e eles também não querem mais conflitos, acabaram com isso. Seus filhos não precisam mais provar que são capazes e o povo esta cada vez mais perdido, sem referências e afundando no álcool.

Pessoas escalando
Pessoas escalando

Além de respeitar as crenças, existe a preocupação com a segurança e o meio ambiente. Muitos turistas já morreram tentando escalar o cume por quedas ou parada cardíaca. Parece fácil, mas qualquer tropeção não tem volta, é muito íngreme. Uluru tem sofrido com a erosão causada pelas escaladas diárias e, como não há nada lá em cima, muitos usam como banheiro. Quando chove, uma grande quantidade de bactérias é encontrada nos buracos de água que são vitais para os animais da região.

Para evitar mais mortes, colocaram uma corda que ajuda na subida e uma placa enorme pedindo para não subir e respeitar as leis e desejos dos Anangu e dos Tjukurpa. Afinal, eles respeitam a nossa vontade. Mala Walk - pedra tem formato de onda

Fazer somente as trilhas em vez de escalar é o indicado. Existe as opções: Mala walk de 2 km, Base walk de 10,6 km ao redor do monolítico, a menor Kuniya walk de 1 km, Lungkata walk de 4 km e Liru walk de 4 km. Todas são auto guiadas e acessíveis para cadeirantes. No percurso vamos entendendo melhor a cultura e significados das histórias contadas. Alguns lugares são sagrados e só podem ser vistos, não registrados. Outros tem exemplos de arte aborígene que contam sobre o Dreamtime, o conceito aborígene para a criação do mundo.

Veja o meu roteiro e as trilhas feitas no parque

  • Placa em frente ao início da escalada diz o seguinte:

“Nós, os proprietários tradicionais de Anangu, temos isso a dizer. Uluru é sagrado em nossa cultura, um lugar de grande conhecimento. De acordo com nossa lei tradicional, a escalada não é permitida. Esta é a nossa casa.

Como guardiões, somos responsáveis pela sua segurança e comportamento. Muitas pessoas não ouvem nossa mensagem. Muitas pessoas morreram ou foram feridas, causando grande tristeza. Nos preocupamos com você e nos preocupamos com sua família. Por favor, não escale”.

E você? Conte o que faria, ou fez, chegando na pedra. Escalar ou respeitar?

Decidi respeitar e as pessoas lá atrás se aventuraram
Decidi respeitar e as pessoas lá atrás se aventuraram

Entenda mais sobre os aborígenes no texto da Juliana

Ferrugem na pedra
Ferrugem na pedra

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja todos os textos sobre esta viagem no post Índice – Mochilão Austrália.

Tome Nota Uluru-kata Tjuta National Park

A entrada no PARQUE custou em 2011 A$ 25 e é válida por 3 dias consecutivos. Os horários de abertura variam conforme a época do ano, mas está sempre aberto entre 6h30 e 19h30.

O parque tem algumas regras, é recomendável passar antes no CULTURAL CENTER-JUTU WARARA PITJAMA e pegar todas as informações. Fica 13 km da base do Uluru e abre diariamente das 7h às 18h. Tem galeria de arte, loja, restaurante, banheiros e é possível ver aborígenes pintando. O seu maior legado.

Como chegar: Tem aeroporto na região, não precisando passar por Alice Springs.Relaxe e inspire-se olhando o sol nascer pela manhã, se pôr no final da tarde e a lua nascer a noite. 

Vira uma cachoeira em época de chuva
Vira uma cachoeira em época de chuva
Guia de viagem sobre a Oceania

15 experiências sensacionais em 36 páginas cheias de dicas, vivências e fotos. Tudo vivido e relatado por quatro viajantes em épocas diferentes. Adquira o pdf Grandes Experiências Oceania aqui. >>

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 12 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.