Monte Roraima

Subindo o Monte Roraima

Dos 34 km2 de área do Monte Roraima, 80% pertence ao território venezuelano, 15% à Guiana e apenas 5% ao Brasil. O único caminho de acesso ao topo foi descoberto em 1984 pela Venezuela, por isso é preciso ir até Santa Elena de Uiaren para conquistar o monte.

Aldeia de Paratepuy
Aldeia de Paratepuy

O pacote padrão das empresas incluem 6 dias de trekking, sendo três dias para subida, um no topo e dois para descida. O primeiro passo foi ir até a Aldeia de Paratepuy de jeep, onde já foi possível ver e fotografar o Monte Roraima no caminho.

Como foi subir o Monte Roraima

A trilha começou por volta das duas da tarde, foram 12 km até chegarmos no acampamento nas margens do Rio Tek às seis da tarde.

O Monte Roraima sempre à nossa frente
O Monte Roraima sempre à nossa frente

Esse primeiro dia foi leve, nem pode ser chamado de subida. O grande desafio foi acostumar com os 15 quilos do peso da mochila. Quanto mais me aproximava dos paredões, mais sentia a sensação da imponência das grandes formações rochosas dos tepuis Roraima e Kukenán, consideradas umas das mais antigas do planeta.

Acampamento Tek
Acampamento Tek

O banho foi no Rio Tek, segundo os guias, era o mais quente até o fim da trilha. A água era muito fria, senti medo do que me esperava pela frente.

No segundo dia levantamos cedo, por volta das 6 horas, após tomar um super café preparado pela equipe de suporte da expedição, composta por índios da aldeia, partimos para o acampamento base do tepui. Logo de cara tivemos que atravessar o rio Tek, bom para refrescar o corpo que enfrentou muito sol nesse dia.

Descanço para recuperar o fôlego
Descanço para recuperar o fôlego

A caminhada começou leve, porém foi ficando mais pesada à medida que iniciou a subida. Algumas paradas foram essenciais para recuperar a disposição. Nesse dia nos orientaram a levar mais água, pois tinha apenas um ponto para reabastecer. Foram 6 horas até chegar no acampamento, bem na base do paredão. A vista deste lugar já era incrível e aproveitamos o tempo lá em cima jogando partidas de poker e fazendo yoga.

Aula de Yoga
Aula de Yoga
Partida de Poker
Partida de Poker
Subida em trilhas pesadas
Subida íngreme

 

O terceiro dia foi o mais pesado, com subidas muito íngremes, com muitas pedras e barro. A parte boa foi passar quase todo o tempo na sombra, pois tem muita mata na base do paredão. Em alguns trechos parecia estar enfrentando pancadas de chuva, mas na verdade eram cascatas de água que despencam do topo da montanha.

A cada momento eu olhava para cima tentando calcular quanto faltava, mas é muito difícil ter noção devido a grandiosidade do monte. Depois de chegar no topo, caminhamos em direção ao acampamento e no caminho teve parada para banho em jacuzzis naturais. Esse banho estava gelado, mas foi revigorante.

No próximo post conto as dicas sobre o Monte Roraima (dicas aqui).

Jacuzzis naturais
Jacuzzis naturais

Mais textos sobre a expedição Monte Roraima:

Trilhas no mundo perdido

As dores de uma trilha longa

Um monte de surpresas

O que levar na expedição de 6 dias

Tome Nota Monte Roraima

Você pode optar por agências de Santa Elena, bem mais baratas, porém tenha muito cuidado, existem relatos e depoimentos de pessoas dizendo que tiveram um péssimo serviço, inclusive tendo que economizar comida.

Dica: Entre para o Clube de Benefícios Gear Tips e ganhe 10% de desconto na expedição com o receptivo Roraima Adventures.

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Leandro Vettorazzi Gabrieli

Leandro Vettorazzi Gabrieli

Co-fundador do Territórios versão 2010, fotógrafo amador, empresário e entusiasta de tecnologia. Combina o hobby de viajar com a paixão de fotografar, principalmente animais. Parceiro para tudo, não precisa perguntar duas vezes para fazer uma aventura ou indiada. Se você encontrar com ele em uma viagem certamente estará com sua mochila nas costas e sua Nikon na mão.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.