Sozinha em Habana

Sozinha em Habana


Não tinha os telefones de Osmany, apenas enviei um e-mail avisando onde eu estaria… Já se passaram dois dias e ninguém me procurou, estou sozinha em Habana. Mas isso não é problema. Já fiz amizades com rapazes espanhóis que estão no hotel e caminhei muito por Habana Vieja e Vedado. Apesar das pessoas no hotel e das agências de turismo me assustarem dizendo que é muito perigo andar por aí, não quis pegar táxi. Uma cidade se conhece a pé e não de carro. E não deve ser mais perigoso que o Brasil. Depois entendi, na verdade, querem que o turista gaste dinheiro em táxi e não conheça a realidade cubana, apenas as partes turísticas.

Read in English 

Muitas pessoas nas Janelas
Muitas pessoas nas Janelas

ENCONTRE HOTEL EM HABANA | LEMBRE DO SEGURO VIAGEM

Sozinha em Habana

Habana Vieja
Habana Vieja

Habana é bem diferente de outros lugares que já conheci. Muita gente na rua, poucas grades, portas e janelas abertas mostrando os lares cubanos, música por todos os lados, ritmos diferentes e muito alto. O som vinha de dentro das casas ou de pessoas com instrumentos na rua. Têm construções lindas, porém, caindo aos pedaços, se fossem reformadas ficaria tipo o Pelourinho em proporções bem maiores. Olhar para a frente e para cima é bonito, mas olhar para o chão ou para dentro das casas é feio. Existe muita umidade e esgoto à céu aberto, isso em Habana Vieja, onde a maioria das pessoas mora amontoada em casas velhas.

No Vedado esta melhor, mais limpo e mais “moderno”. É estranho porque parece uma cidade do interior parada no tempo, mas é a capital de um país! Tem avenidas largas e movimentadas com muita gente circulando. O comércio (para cubanos) lembra aqueles mercados do início do século passado, prateleiras vazias, pouca variedade, aspecto sujo e velho. Eu estava com fome e não tive coragem de comer pelos lugares por onde passei. Não vejo a hora de encontrar Osmany e Ana, não tenho certeza do que posso ou não fazer aqui. As pessoas não me inspiram confiança, parecem que sempre querem tirar proveito de ti (dá pra entender pela situação em que vivem), me passam informações erradas e não sei se sigo as do hotel ou se confio nas pessoas da rua.

Brinquedos antigos
Brinquedos antigos

Vi crianças felizes brincando nas ruas. Como elas não têm acesso à tecnologia e não tem medo da violência, podem aproveitar a infância como a gente aproveitava antigamente. Haviam grupos de cubanos sentados em frente às suas casas conversando e ouvindo música, muitos bares cheios de cubanos e nenhum turista. O povo é muito aberto, eu caminhava na rua e muitos me paravam, queriam conversar, ou me mandavam beijos e ficavam me chamando como se chamam gatos, até um policial fez isso comigo. Não entendo como percebem que sou estrangeira, deveriam perceber só quando eu falo, afinal 45% da população é branca e são muito parecidos com os brasileiros, tipo físico, jeito de vestir e de ser.

Infelizmente, tive que ignorar todas essas pessoas que vinham falar comigo, não sei se é verdade, mas dizem que são jineteiros e querem te roubar ou tirar algum proveito. Me disseram para ter cuidado maior com os negros mais negros, achei esse comentário tão racista. Depois de tanto me assustarem, achei melhor esperar o encontro com Osmany antes de dar conversa para as pessoas na rua.

Centro histórico
Centro histórico

Na busca pela internet, entrei nos melhores hotéis da cidade e, para a minha surpresa, são muito luxuosos e imponentes. Outro mundo, onde cubano só entra se for funcionário. Em nenhum desses hotéis consegui acessar, uns porque era domingo e outros porque o cartão de acesso estava em falta.

Por toda a cidade estão espalhados cartazes e outdoors homenageando revolucionários como Camilo, Fidel, Che e até Hugo Chávez. As imagens deles estão por toda a parte, Chávez parece ser muito bem vindo aqui, como irmão. A publicidade é proibida. Nas ruas só se vê fachadas e outdoors do governo.

Apenas propagandas do governo são permitidas nas ruas
Apenas propagandas do governo são permitidas nas ruas

Sobre os carros, pensei que só encontraria dos anos 50 ou Lada, mas a realidade é diferente. Têm muitos carros modernos americanos circulando nas ruas. Têm lojas da Fiat, Renault e Mercedes, que vendem para quem tem dinheiro. Todos os ônibus para turistas também são modernos como em qualquer cidade turística. Têm carros lindos conservados e outros tão velhos que não é possível entender como ainda funcionam. Charmosos são os antigos. É comum ver carros estragados, pessoas empurrando ou consertando eles.

O Jaguar é de um novo amigo. É lindo por dentro com detalhes em madeira de verdade, uma bússola no retrovisor e um aparelho de mp3
O Jaguar é de um novo amigo. É lindo por dentro com detalhes em madeira de verdade, uma bússola no retrovisor e um aparelho de mp3

Nota

Essa foi a minha primeira impressão sozinha em Habana, depois que encontrei meus amigos muita coisa mudou. Algumas pude entender, outras seguem não fazendo sentido. E, como dizem alguns amigos cubanos, “É complicado! Não vou te explicar porque não vais entender!” Em respeito à algumas pessoas e para não correr o risco de repassar informação errada, vou omitir algumas coisas. Os próximos artigos serão sobre informações turísticas. Se alguém tiver interesse em saber mais, pode entrar em contato.
Carro velho
Carro velho

O voo até Cuba

Na ida foram quase 24 horas viajando e esperando. O fusos horários do Brasil, Panamá e Cuba são diferentes, em cada lugar eu tinha que arrumar o relógio. Dentro do avião, já sobrevoando o Caribe, fiquei admirando o céu. Parecia que eu estava de cabeça para baixo, o avião voava em cima das nuvens e a cor do céu e do mar eram iguais, o que diferenciava eram as nuvens no horizonte.

O Panamá é o Paraguai do Caribe, muitas lojas e muita coisa barata no aeroporto mesmo. O país esta crescendo em ritmo acelerado e o mercado imobiliário esta uma loucura. Vi muitas propagandas de empreendimentos luxuosos e grandiosos.

Curioso sobre Cuba, veja alguns relatos:

Os vales de Pinar del Rio

Uma fazenda Cubana em Pinar del Rio

Intervenção urbana em Cuba

A praia mais linda de Cuba

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 12 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

2 comentários

  1. Muito bom seu relato! Estive em novembro de 2016 e acredito que esteja igual! Fui com mais três amigos e nos hospedamos em casa de cubano que lá chamam de Hostel. Achei muito tranquilo andar pelas ruas mesmo a noite. Bis partes que estão reformadas e são lindas! Na rua as pessoas realmente nos param para pedir algo (balas, sabonete, caneta) E adoram o Brasil por causa das novelas…estava passando a novela Império e só falavam do Comendador Kkkk. Também queriam nos vender charutos fajutos. Mas é um povo acolhedor e simpático apesar das dificuldades.

    1. O povo é ótimo e muito alegre. Gostaria que as coisas tivessem melhorado para eles, pelo jeito continua igual, pena

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.