Roma

Roma: veni, vidi, vici


Para poupar suas panturrilhas em Roma, o Coliseu, o Arco Constantino, o Fórum Romano, Domus Aurea, o Palatino, o Panteon, e várias outras construções do Império Romano ficam muito perto umas das outras e é possível percorrê-las a pé.

Siga @blogterritorios no InstagramSiga no Instagram Leia todos os textos sobre o país

Seguro viagem é obrigatório na Europa. Pegue o desconto aqui

Precisa alugar carro? Veja na Rental Cars

Saia do Brasil conectado com o chip de celular da EasySim4U

Igreja San Sebastiano
Igreja San Sebastiano

Atrações em Roma pra fazer a pé

Não entramos no Coliseu e no Panteon porque não aguento ficar mais que dois minutos em uma fila imensa que não anda. A dica para evitar longas esperas é aquela de sempre: chegar cedo.

Panteon
Panteon
Rosas de Roma
Rosas de Roma

JARDIM DE ROSAS DE ROMA

Pertinho do Palatino e do Circo Massimo, um lugarzinho bonito e tranquilo para descansar é o Jardim de Rosas de Roma (que fica na Aventine Hill). O parque foi criado em 1931 e conta com mais de mil variedades de rosas de todo o mundo. Tivemos a sorte de estar lá durante a primavera e o espaço estava completamente florido.

Jardim de Rosas de Roma
Jardim de Rosas de Roma
Boca da Verdade (fonte: Wikipedia)
Boca da Verdade (fonte: Wikipedia)

BOCA DA VERDADE

Ainda caminhando na região do Circo Massimo, encontramos pela tal Boca da Verdade e torci o nariz de novo para as excursões de (zilhões) de turistas que se acumulavam diante do local para fazer uma foto que tem uma história para lá de machista. Diz a lenda que, durante a Idade Média, os maridos levavam suas esposas para testar sua fidelidade na Boca da Verdade (que é, na verdade, uma tampa de bueiro).

Cena do filme A Princesa e o Plebeu (fonte:Wikipedia)
Cena do filme A Princesa e o Plebeu (fonte:Wikipedia)

A mulher que ficasse com a mão presa era considerada traidora. Mas o local ficou mesmo famoso por conta de uma cena do filme Roman Holidayou, em português, A Princesa e o Plebeu (1953, direção de William Wyler), protagonizado por Audrey Hepburn e Gregory Peck.

Caminho para o Ghetto di Roma
Caminho para o Ghetto di Roma

TEATRO DI MARCELLO

Passando pela Piazza della Bocca della Verità, chegamos a um lugar tão bonito quanto ignorado pelos guias turísticos, que é o Teatro Di Marcello, construído na Roma Antiga pelo imperador Julio César.

Teatro di Marcello
Teatro di Marcello

GHETTO DI ROMA

Dando a volta pelo local, outra construção bonita é o Portico d’Ottavia, que também data do Império Romano. Os monumentos ficam no local chamado de GHETTO DI ROMA, o bairro judeu estabelecido em 1555.

Comércios e restaurantes ítalo-judeus funcionam nesse bairro tão particular. Aconselho conferir essa mistura da culinária judia e italiana : o tagliatelle de alcachofra e camarão (12 euros), servido no restaurante Il Giardino Romano (na Via del Portico d’Ottavia, 18) é imperdível. O namorado, que é viciado em pasta carbonara, garante que foi ali que ele experimentou a melhor de todas.

 
Construções do bairro judeu
Construções do bairro judeu

E as festas em Roma

Hapy hours: Na região Oeste do Rio Tibre, o bairro Trastevere é um concentrado de barzinhos e restaurantes de todos os tipos, mas fica lotado de turistas no começo da noite.

Muitos deles têm happy hours baratinhos com petiscos de cortesia. Vale a pena conhecê-lo e, de preferência, se infiltrar nas ruazinhas mais escondidas, onde encontramos barzinhos bem charmosos e não tão lotados.

Região Oeste do Rio Tibre
Região Oeste do Rio Tibre
Bairro Trastevere
Bairro Trastevere

Para sair: O bairro que mais curtimos é o Monti, pertinho do Coliseu. Menos turístico, é frequentado pelos estilosos jovens romanos. De lojinhas moderninhas (moda e deco) a pubs, restaurantes e sorveterias… o Monti foi uma das melhores descobertas de Roma.

Ai Tre Scalini, no bairro Monti
Ai Tre Scalini, no bairro Monti

AI TRE SCALINI
Foi nesta região que descobrimos o descolado Ai Tre Scalini – (Via Panisperna, 251), um barzinho muito legal fora do circuito dos guias, mas com gente jovem, boa música, bebida (4 a 5 euros o copo) e petiscos a preços razoáveis (8 euros o melanzane alla parmigiana). O local é pequeno, então lota rapidinho, mas vale a pena a espera!

PULP

Também no bairro Monti, esta é uma lojinha cheia de roupas, sapatos e acessórios vintage. Os preços são acessíveis (bons achados a partir de 10 euros) e as peças são lindas. Para os brechozeiros de plantão, a Pulp recebe peças exclusivas da alta moda (como Chanel e Gucci) todas as semanas. Vai lá ! O endereço é Via del Boschetto, 140. Outra dica para quem curte brechós, lojinhas de moda e deco/arte é a Via del Governo Vecchio. Fica próxima à Piazza Navona e tem uma infinidade de opções.

ENOTECA

Na região dos brechós da Via del Governo Vecchio, encontramos uma enoteca muito boa e baratinha: CUL DE SAC (Piazza di Pasquino, 73). Os vinhos são de ótima qualidade, o lugar é super charmoso, e uma taça (bem generosa) custa entre 3 e 5 euros.Vinhos, prosecco e birra à parte, o cocktail da moda é o Aperol Spritz ; feito com o digestivo Apérol (sabor de laranja) e espumante prosecco.

Saúde! Cinci
Saúde! Cinci

Aliás, para quem curte bolinhas, o espumante rosé Franciacorta (6 euros a taça, em média) é melhor ainda que o prosecco (5 euros a taça, em média).

 
Enoteca Cul de Sac (Fonte : Divulgação)
Enoteca Cul de Sac (Fonte : Divulgação)
Piaza Navona
Piaza Navona

 

Acompanhe a sequência do post sobre Roma:

Quem tem pernas, vai a Roma

Igrejas, praças e fontes

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Daniella Franco

Daniella Franco

Jornalista, mestre em Ciências da Informação e Comunicação e mochileira. Há onze anos veio estudar e morar na França e desde então seus horizontes tem aumentado cada vez mais. Viajante um tanto atrapalhada, costuma chegar aos destinos sem qualquer roteiro, esquece em casa os endereços dos hotéis onde deve se hospedar, deixa os joelhos nas trilhas, desce as montanhas rolando, leva os piores torrões nas praias e pegou pneumonia fazendo ski. Mas o importante é que sempre volta das viagens com boas historias pra contar. De hotel de luxo a camping, do sofá-cama dos amigos aos albergues da juventude, Daniella descobriu que viajar também é uma arte.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.