São Luis do Maranhão

Quando a maré encher


A Ilha do Amor, ou Capital Brasileira do Reggae ou ainda Cidade dos Azulejos, exibe uma riqueza cultural impressionante em 400 anos de história na arquitetura, culinária, dança e folclore. São Luis (MA) me ganhou pelos seus detalhes e características únicas.

Siga @blogterritorios no InstagramSiga no Instagram
Palácio dos Leões, antiga fortaleza
Palácio dos Leões, antiga fortaleza

Quando a maré encher em São Luis do Maranhão

Começando pela maré que influencia diretamente a rotina das pessoas em toda Ilha de São Luis, ela muda diariamente, cerca de oito metros de altura, de 12 em 12 horas com alternância de uma hora por dia. Variação maior só acontece no Monte Saint Michel, na França. O fenômeno ocorre pela proximidade da linha do Equador, a capital está localizada a apenas dois graus de distância. Ali a culpa por atrasos ou informações erradas não são das pessoas e sim da maré.

O chama maré
O chama maré

Quando a paisagem se transforma em enormes pontes sobre o lodo, a princípio, só se vê barro, mas um olhar mais atento percebe a grande movimentação dos chama marés – caranguejo alaranjado com uma das garras bem maior que a outra, ele fica na lama movimentando essa pata como se estivesse chamando alguém.

Maré começando a encher
Maré começando a encher
Casas coloniais e escadaria
Casas coloniais e escadaria

É a única cidade brasileira fundada por franceses onde a população atual, em sua maioria mestiça, é formada por africanos, franceses, holandeses, índios e portugueses.

Fachadas com azulejos
Fachadas com azulejos
Cazumbá, personagem do Bumba Meu Boi, tem a função de afastar o mau
Cazumbá, personagem do Bumba Meu Boi, tem a função de afastar o mal
Detalhe no altar do Centro Cultural
Detalhe no altar do Centro Cultural

O que fazer em São Luis do Maranhão

Caminhar pelo Centro Histórico é passeio imperdível que deve ser feito com muita atenção no olhar. Um percurso repleto de azulejos, becos, ladeiras, escadarias de pedra, travessas e grandes sobrados com sacadas. É um museu a céu aberto declarado Patrimônio Mundial da Unesco.

A dança e o folclore são, ao mesmo tempo, originais e tradicionais. As festas populares atravessam gerações mantendo costumes e crenças. O mais típico é o Tambor de Crioula, manifestação declarada Patrimônio Cultural Imaterial pelo Iphan. O som predominante em São Luis, vindo das casas, lojas, carros…, é o reggae jamaicano de raiz. Com a diferença de aqui se dançar juntinho. Eu adorei descobrir a cidade com a trilha sonora preferida na minha adolescência.

Local da fogueira para o tambor de crioula no Centro Cultural Mestre Amaral
Local da fogueira para o tambor de crioula no Centro Cultural Mestre Amaral

Só lamento ter conhecido em um feriado, quase tudo o que falei acima poderia ter sido melhor explorado em dias normais. Essas foram minhas impressões e histórias contadas pelo guia Nailton. Cantor de reggae que encontrei por acaso enquanto ele levava um grupo por um tour no centro.

Menina observando a Fonte do Ribeirão
Menina observando a Fonte do Ribeirão
Principal rua de comércio fechada - Rua Grande
Principal rua de comércio fechada – Rua Grande

Centro Histórico

O Centro Histórico foi meu ponto de partida na manhã da sexta-feira santa, procurava um centro de informações ao turista, mas estava fechado, assim como quase todo o comércio. As ruas vazias, com chuva, davam medo e fui abordada mais de uma vez com alertas para ter cuidado com meu equipamento fotográfico. Foi nesse momento que comecei a acompanhar Nailton, pegamos o final do passeio e, como não havia mais turistas para um novo tour, ele nos levou para descobrir a São Luis fora do convencional.

Degradação
Degradação
Canhão do Forte Santo Antônio
Canhão do Forte Santo Antônio
Fonte com mulher rã e vitória régia em frente à Igreja da Sé
Fonte com mulher rã e vitória régia em frente à Igreja da Sé

Observamos do carro a realidade de um dos estados mais pobres do Brasil e a degradação da arquitetura, que continuava bela e cheio de histórias em cada detalhe. Ele nos levou em lugares famosos, mas que não fazem parte do roteiro do city tour por insegurança. Jamais chegaríamos em alguns pontos a pé e sem guia, mesmo tendo pesquisado como atrações obrigatórias. Também contou algumas lendas, mostrou o que ele gosta de fazer e projetos culturais, como o Forte Santo Antônio, hoje corpo de Bombeiros que pretende virar museu náutico.

COMPRE O CITYTOUR NA TOURON 

Lagoa da Jansen

Fiquei hospedada ao redor da Lagoa da Jansen, com uma boa estrutura de lazer e esportes, e a poucas quadras do mar. A região é bem diferente do centro com grande expansão imobiliária, muitos bares e restaurantes pela av. Litorânea. É agradável caminhar pela orla, pisar na areia branca e observar o movimento. Seria perfeito se todas as praias não fossem impróprias para banho ou interditadas. Uma curiosidade local foi ver ambulantes vendendo descolorantes e água oxigenada nas praias Ponta d’Areia, São Marcos, Calhau e Caolho. Prática incomum no sul e sudeste.

O artesanato
O artesanato

Tome Nota São Luis do Maranhão

O meu quarto no Stop Way
O meu quarto no Stop Way

Evite visitar São Luis em domingos e feriados, principalmente os religiosos, quando muitas atrações e lojas fecham. Manifestações culturais também deixam de acontecer em respeito à comemoração do dia. Mas se for feriado, a opção é conhecer cidades próximas como Alcântara, São José do Ribamar e Raposa.

Hospedagem: STOP WAY foi uma ótima opção pela localização, atendimento, internet grátis, café da manhã e conforto do quarto (todos com vista para lagoa ou oceano). É um hotel novo focado em negócios que oferece promoções nos finais de semana. CONSULTE VALORES AQUI.

Transporte: Não importa se é perto para andar a pé, por segurança achei melhor sempre pegar táxi. A frota parece ser grande e foi fácil encontrar em diferentes pontos da cidade. Para ir e vir do aeroporto uma opção é o transfer da TourOn.

A vista do meu quarto para a praia Ponta D'Areia
A vista do meu quarto para a praia Ponta D’Areia

Visite também os outros destinos famosos no Maranhão:

Lençóis Maranhenses

Chapada das Mesas

Delta do Parnaíba

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 13 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

3 comentários

  1. Estive em junho passado para conhecer os lençóis maranhenses, mas me decepcionei muito, pois na melhor época para ver os lençóis, elas estavam secas… Mas por acaso peguei uma época maravilhosa em São Luis.. O São João… tinha boi todas as noites, em vários pontos da cidade… gostei muito mesmo…quanto a maré baixa, me impressionei com a vazante… dizem que é a maior vazante da América latina…mas não sabia porque… gostei da tua explicação… Fiz um post da minha viagem também…
    http://nocursodopercurso.blogspot.com.br/2012/09/parabens-sao-luis-do-maranhao.html

  2. Pretendo voltar para conhecer os lençois e espero pegar uma cidade mais aberta ou essas festas populares.

  3. É incrível uma cidade turística fechar nos feriados…é mais ou menos como um restaurante fechar na hora do almoço.
    Realmente tirando este detalhe é uma cidade linda com muitas coisas a descobrir e a fotografar.
    Vale a visita!

    Um abraço Roberta

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.