Praia do Sono

Praias para sonhar

O sul do Rio de Janeiro possui uma série de praias escondidas que merecem todo o esforço para encontrá-las. Algumas com acesso somente por barco, outras com trilhas moderadas à difíceis. São caminhos pela mata atlântica que mostram um visual de tirar o fôlego. Por vezes, exibindo um marzão recortado pelo verde da vegetação ou uma mata fechada caindo em cachoeiras deliciosas para renovar as energias. Uma destas descobertas foi a Praia do Sono.

Read in English

Vista da trilha para a Praia do Sono
Vista da trilha para a Praia do Sono

Trilha pela mata atlântica
Trilha pela mata atlântica

Distante 32 km de Paraty, a Praia do Sono é acessível por barco ou a pé. É povoada por uma pequena comunidade de pescadores localizada na Reserva Ecológica da Juatinga. Começa com uma trilha tranquila, para os adeptos das caminhadas, algumas subidas e descidas, percurso aberto na mata e trechos com corrimão. Era final de feriadão, cruzamos por vários mochileiros voltando carregados com equipamentos de camping e exibindo aquela cara de quem tem a obrigação de voltar para a vida normal.

Os barcos de pescadores
Os barcos de pescadores

A praia é pequena com pouca estrutura, tem alguns quiosques e bares simples que nem sempre abrem o ano todo. É um lugar para se isolar e interagir com a natureza. Claro que nos feriadões a impressão pode ser diferente e superlotada.

A partir do Sono existem caminhos para mais 6 lugares interessantes – Poços do Didico e do Jacaré, praias dos Antigos, Antiguinhos, Galhetas e Ponta Negra. O ideal é se hospedar para conhecer tudo com calma ou contratar transporte com os pescadores. Pegamos um dia nublado e decidimos conhecer apenas o POÇO DO JACARÉ, uma queda d’água pequena, mas com jato forte e lugar para pular. Foram uns 30 minutos de caminhada embarrada começando junto à igrejinha, situada no meio da praia. Ali passamos uma tarde super agradável até pegar a trilha de volta para Laranjeiras. Ainda vou me especializar em todas essas prainhas maravilhosas e vou relatando por aqui.

Piscina natural no Poço do Jacaré
Piscina natural no Poço do Jacaré

Tome Nota Praia do Sono

 Como chegar: Vá de carro até o condomínio Laranjeiras ou pegue um ônibus (linha 1040) na rodoviária de Paraty. Na parada final já começa a trilha de 4 km ou chegue na beira da praia e contrate uma lancha. No carnaval custava R$ 25 por pessoa.
Hospedagem: Tem somente alguns campings com opção de cabanas, todas na beira da praia. Fui passar o dia e peguei o cartão do Camping da Paz (almirparaty@hotmail.com) que veio me recepcionar no final da trilha. Disse que fica aberto o ano todo, mas fora de feriados e temporada tem que reservar antes, já que a praia fica praticamente deserta.

Mais fotos da Praia do Sono:

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais. Fotos de Leandro Gabrieli.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site e fotógrafa. Há 11 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo.

8 comentários

  1. Olá Marcia, pode deixar o contato do camping do seu filho no comentário? Obrigada

  2. Eu sempre vou à praia do sono, meu filho está morando lá.É um lugar maravilhoso,ele tem um camping lá, é o Hipnos.

  3. Oi Luana, este é o email que ele me passou. Talvez a caixa de entrada esteja cheia. Tente de novo. Existem outros campings por lá.

  4. muito legal o blog…por acaso alguém tem algum contato de camping na praia do sono? o email do post consta como inexistente…..

  5. Renata,

    Eu comi só um açaí com frutas antes da trilha até o Poço do Jacaré.

    Gleiber,

    saindo de SP ou do RJ é bem fácil de chegar. Quem sabe combinamos, eu quero voltar muitas vezes para a região de Paraty, inclusive alguns blogueiros amigos estavam combinando de ir no feriado 7/9.

  6. Ah, que saudade da Flip, de Paraty e dessa praia…Eu lembro que almocei em uma barraca e a comida era caseira e divina.

    Adorei o post,

    beijos

  7. Tenho uma vontade de conhecer essa praia… Há uns 10 anos atrás eu vi um documentário na TV e até hoje aquilo ficou na minha cabeça, ehehehe.

Deixe uma resposta