Os países do futuro


Quando lemos sobre os países que poderão ser líderes mundiais, ao lado do Brasil e outros, se encontra a Índia. Nunca entendi muito bem como esse país poderia estar nessa lista. Morando na Inglaterra, sempre via a comunidade indiana que lá vivia como um povo batalhador, daqueles que acordam as quatro da manhã e só vão dormir à meia-noite, trabalhando incansavelmente.

Só que o país de onde vinham ia para o lado contrário desse pensamento. A Índia ainda carrega a imagem de um país de mão-de-obra barata – escrava, digo, onde a qualidade de vida da população (tirando a minoritária alta classe bolliwoodiana) não é ao menos levada em conta. Como pode? Como comparar países assim? O próprio ato de comparar lugares já é, por si só, uma falha humana. O que faz um país melhor ou pior que outro? PIB? Renda interna? Na na não…

Nepal
Nepal

Os países do futuro

Nepal
Nepal

Mas enfim, indo conhecer um pouco da Índia (e Nepal, acrescentaria) pessoalmente, pude entender essa previsão de líderes que ronda esses países. Não sei se essa era a ideia, mas compreendi perfeitamente o significado disso tudo.

Eles serão líderes sim, com certeza, diria, mas não pelo poder econômico, mas por ensinar o mundo como devemos nos tratar, como seres-humanos. Claro que ambos países tem problemas, como qualquer outro, mas esses problemas ficam encobertos pela forma única e bonita de se tratarem.

Amyr Klink que esta certo, quando diz:
“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver.”

Rodrigo Baena
Viajando pela Índia e Nepal

 

Fui e vi. E agora divido um pouco com você.

 

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Rodrigo Baena

Rodrigo Baena

Rodrigo Baena é jornalista por profissão, fotografo por paixão e viajante "quase" profissional.

5 comentários

  1. Ola Carlos Cesar,

    Esse e’ o desafio de todo viajante: ver o lado bom de todo lugar que conhecemos.

    Desigualdade social nao tem o poder de transformar as pessoas de uma sociedade em pessoas ruins. Um exemplo disse e’ a India. Mesmo com todos os problemas, eles ainda sorriem e ainda tratam uns aos outros de forma unica.

    Uma prova de que dinheiro e bens materiais ainda nao ultrapassaram o poder que a religiao e o respeito pela vida tem em suas vidas.

    Abracos,
    Rodrigo

  2. Nao conheco uma pessoa que foi a India e voltou falando bem. Primeiro precisa diminuir a desigualdade social que é extremamente gritante. Dou pelo menos 200 anos pra mudar isso.

  3. Oi Will, essa e’ a ideia, provocar as pessoas a viajar, a ir conhecer tambem. vai e conta pra gente tambem!!

    e Fernando, ja que e’ assim, vou contar mais entao! abracos

  4. Fantástico!….sempre quis ir para a Índia, lendo isso da mais vontade ainda!….fala mais, conta mais! abrs

  5. Deu até vontade de ir pra Índia..
    Interessante!!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.