O que ver no Vêneto

O que ver no Vêneto


Quando se fala em Vêneto se pensa em Veneza e todos os seus ícones, entretanto, o território norte da Itália tem muito mais para descobrir. E, por sorte, antes de ir conheci pessoas que ajudaram no meu roteiro e me convenceram a trocar cinco dias em Veneza por cinco dias pelo Vêneto.

Siga @blogterritorios no InstagramSiga no Instagram
Canais de Veneza
Canais de Veneza
Arquitetura veneziana
Arquitetura veneziana

 

Claro que a capital regional estava na lista, passar um ou dois dias em Veneza é obrigatório, afinal a cidade tem encantos únicos. Além da arquitetura, a história, o mediterrâneo… é um dos lugares mais românticos e famosos do mundo. Mas o melhor da viagem foi descobrir a essência da cultura local nas cidades menos turísticas.

Em dia de chuva turistas se aglomeram nas passarelas em Veneza
Em dia de chuva turistas se aglomeram nas passarelas em Veneza
Torrones em Veneza
Torrones em Veneza

O que ver no Vêneto

A região tem paisagens incríveis nas Dolomitas (zona de montanhas); abriga uma parte do Vale do Pó (o rio mais importante do país); na serra encontra-se a agradável combinação de arquitetura, cultura e paisagem rural; possui vilas medievais; algumas cidades tem solo rico em águas termais; é repleta de histórias preservadas nas igrejas e construções centenárias; cada zona tem a sua comida típica e tudo isso é muito próximo de nós brasileiros por ser a terra mãe de diversos imigrantes italianos que acabaram por aqui.

Além de Veneza, as outras cidades importantes são Padova, Verona, Vicenza, Treviso, Rovigo e Belluno. Visitei as três primeiras e algumas comunes (nominação para as aglomerações urbanas e seus arredores). O tempo foi curto, mas a vivência foi intensa e preparei um resumo dos lugares por onde passei:

PADOVA (ou Pádua)

Fundada em 45 AC é muito mais antiga que Veneza e tão romântica quanto. Principalmente por sediar a Basílica de Santo Antônio entre outras igrejas lindas (algumas com afrescos de Giotto, considerado precursor do renascimento). Abriga um dos jardins botânicos mais antigos do mundo e a segunda universidade mais antiga do ocidente. É a terra de Andrea Palladio (famoso arquiteto do século XVI) e da polenta! Eu confirmo que ali se come a melhor do mundo. Hoje continua sendo uma cidade universitária mesclando arquitetura antiga com astral jovem nas ruas: música, artistas, bares, gente circulando sempre e muitas bicicletas.

Esculturas no Prato della Vale, a maior praça da Europa
Esculturas no Prato della Vale, a maior praça da Europa
Laureada em Padova, a tradição é original
Laureada em Padova, a tradição é original

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A dica para explorar o território é se hospedar em Padova, tem fácil acesso para outras cidades, excelente estrutura e preços que agradam todos os tipos de orçamento. Veja a minha dica de roteiros gastronômico e de passeios na cidade e a experiência de dirigir um Maserati.

Praça central em Padova e ciclista
Praça central em Padova e ciclista
Os cadeados na casa de Giulietta
Os cadeados na casa de Giulietta

VERONA

É a cidade imortalizada por Shakespeare no clássico Romeu e Julieta. Tem lindos castelos, igrejas, casas centenárias e a grandiosa Arena. Mas é lotada de turistas e acabou ficando muito comercial perdendo o romantismo, na minha opinião. Em algumas horas é possível fazer uma caminhada passando em frente a todas as atrações históricas e escolher algumas para visitar.

É fácil chegar de trem e fazer tudo a pé e um turno. Peguei um mapa no escritório de turismo, segui os itinerários indicados e conto no meu Roteiro de 5 horas.

Fachada com afresco em Verona
Fachada com afresco em Verona

VICENZA

É para quem adora arquitetura antiga, quer fugir das multidões de turistas e observar a rotina dos locais. O centro histórico é Patrimônio Mundial da Unesco e abriga o maior conjunto de obras do arquiteto renascentista Andrea Palladio. Mas a joia rara é o Teatro Olímpico (1580) que impressiona pelo cenário em perspectiva e as esculturas por toda parte. Veja o relato deste dia no artigo Arquitetura clássica em Vicenza.

Assim como em Verona, foi fácil chegar e se localizar com o mapa que peguei no escritório de turismo. Em um turno passei na frente dos principais prédios, visitei o teatro e fiz a pausa para o gelatto.

arquitetura clássica em Vicenza
Perspectiva impressionante no Teatro Olímpico

COLLI EUGANEI

É a serra de origem vulcânica, ali os nobres construíam propriedades grandiosas para ser a casa de campo e lugar de descanso. Hoje é um parque cheio de colinas que abriga cidades pequenas, vilas e jardins maravilhosos como VALSANZIBIO (1669), um dos jardins barrocos mais importantes do mundo. Passei um dia de carro conhecendo o local e, na estrada, cruzei por muitos grupos de ciclistas e pessoas em Vespas que me deixaram com vontade de aproveitar o passeio com aquela sensação de liberdade. Essa é a dica para quem pretende passar por lá, principalmente se for na primavera.

Valsanzibio tem fontes, labirinto e dezenas de estátuas
Valsanzibio tem fontes, labirinto e dezenas de estátuas

A VILLA DEI VESCOVI (1535) virou um tipo de centro cultural que recebe hospedes ou moradores da região buscando um dia de lazer. Eles produzem o próprio vinho e mantêm a estrutura preservada com móveis e objetos originais.

Barril e ao fundo as parreiras na Villa dei Vescovi
Barril e ao fundo as parreiras na Villa dei Vescovi

ARQUÀ PETRARCA

Cidade medieval preservada que remonta o tempo dos romanos. Tem castelos, igrejas, borgos, ruas de pedra e restaurantes charmosos. Por ter uma grande zona rural, provar os produtos da estação deixam o passeio ainda mais agradável. Peguei romã no pé e provei o delicioso licor de giuggiole (tipo de azeitona) que só é produzido em época de colheita e não é industrializado, ou seja, só experimenta quem passa por ali em outubro. Faz parte de Colli Euganei e a dica é reservar o horário do almoço para passar por ali. Leia o relato completo aqui.

Legumes da estação em Arquà Petrarca
Legumes da estação em Arquà Petrarca

ABANO TERME

É uma cidade muito tranquila construída em solo vulcânico, ali a água brota do chão a 80 graus e abastece dezenas de hotéis e spas que oferecem cura com águas termais e a famosa lama que vem de Montogrotto (cidade próxima). Muito conhecida em toda Europa, oferta excelente infraestrutura hoteleira para quem busca tratamentos para os ossos e ligamentos, fugir do agito ou ter um padrão de hospedagem melhor a preços acessíveis. Tem transporte público para Padova com frequência e uma estação de trem que leva pra todo o Vêneto.

Lama termal de Montegrotto
Lama termal de Montegrotto

Passei os cinco dias hospedada no Igea Suisse (leia o meu relato) e apenas utilizei como cidade dormitório, só andei pelas ruas de manhã ou de noite quando voltava dos passeios. Abano Terme também faz parte de Colli Euganei.

Arquitetura preservada em Villa dei Vescovi
Arquitetura preservada em Villa dei Vescovi

Como falei acima, esse post é apenas um resumo para mostrar como tem opções de passeios pelo Vêneto, use os links no meio do texto para informações mais completas sobre o que fazer em cada um desses lugares.

Provando as mascaras de Veneza
Provando as mascaras de Veneza

Fotos de Roberta Martins e Leandro Gabrieli.

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 13 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.