Mochilando pela Austrália

Mochilando pela Austrália com dicas de 4 estados


Fazer um mochilão é sempre bom, porém muda bastante de continente pra continente. Uma das diferenças é que para os australianos somos jovens sem grana e precisamos de ajuda sempre. Enquanto em alguns países já estão acostumados que muitos fazem por estilo e podem ter qualquer idade. Na Austrália todos foram muito simpáticos e prestativos quando viam as nossas mochilas grandes. Principalmente nos hostels e nas estações de trem e metro.

O texto continua após os serviços recomendados no destino.

Leia todos os artigos sobre a Austrália

AGILIZE A SUA VIAGEM!

Pegue o cupom de desconto no seguro viagem

Saiba onde nos hospedamos

As estradas da Austrália são ótimas para alugar carro

Leve o chip internacional com Internet desde o Brasil

Use a Get Your Guide para agendar passeios e transfers ou saiba como funciona

Conhecendo o outback
Conhecendo o outback

Outra diferença é a falta de brasileiros, têm muitos morando e trabalhando lá, mas os turistas / mochileiros se concentram no leste. No Outback e oeste as pessoas ficavam surpresas quando descobriam que éramos brasileiros cruzando o país. O que é comum para europeus e americanos.

É uma viagem cara, tem que economizar num lado para gastar em outro, seja para conhecer mais lugares, fazer mais passeios, compras ou aproveitar a culinária local. Mas com orçamento planejado e escolhas conseguimos  gastar menos que a maioria das pessoas gastaria. O transporte foi o que extrapolou. A comida não é barata, mas tem opções e a melhor é comprar no supermercado e preparar no hostel. Lembro que experimentar a culinária local faz parte de conhecer o país, mesmo que seja uma extravagância, no mínimo uma vez vale a pena.

Mochilando pela Austrália

Ostras da Tasmânia
Ostras da Tasmânia

Brisbane foi o lugar das surpresas agradáveis ou não. Tínhamos uma tarde para conhecer a cidade e pegar o voo de noite. Estávamos em Gold Coast e pensamos em ir até o aeroporto, deixar as malas num guarda-malas, ir para a cidade e de noite voltar para o aeroporto. Quando pedi estes bilhetes, o atendente do guichê disse que iríamos gastar uma fortuna! Na hora ele chamou outras pessoas para mostrar a nossa situação, éramos cinco pensando em como poderíamos aproveitar o tempo e gastar pouco. Chegaram a ligar para outras estações para descobrir onde tinha um locker grande e quanto custava, até que um sugeriu o bilhete para morador que poderia pegar vários transportes e pagar A$25 por pessoa (o que eu queria comprar no início iria custar A$85). Descobri que ir de trem até o aeroporto é muito caro em todas as cidades.

Uma tarde em Brisbane
Uma tarde em Brisbane

ENCONTRE HOTEL EM SYDNEY

Preparando o café no hostel enquanto o transfer não chegava
Preparando o café no hostel enquanto o transfer não chegava

Os pepinos da viagem

E falando em mochila, o locker de Brisbane é por autoatendimento e a sorte não estava ao nosso lado. Coloquei nossos dados no sistema e uma porta abriu, deixamos as mochilas e fomos embora. No final do dia, inseri os dados e outra porta abriu, vazia!

Eu lembrava o número em que tinha colocado e fui buscar ajuda. Como tudo fecha às 17h, não tinha ninguém para ajudar e faltavam duas horas para o voo. Um certo pânico no ar quando vi um cartaz com um número e liguei, um homem atendeu e pediu para eu procurar a sala de segurança. O segurança prontamente nos atendeu, acreditou no que falei e entregou as mochilas sem verificar se realmente eram minhas. A dica aqui é prestar muita atenção no número que o sistema te dá e se outras portas também abrirem ao mesmo tempo, use somente a porta com o número fornecido. Saímos correndo para pegar o trem e por pouco conseguimos entrar no último e chegar em cima da hora no aeroporto. Ufa!

Outro exemplo de como mochileiros são tratados foi em Perth, durante uma semana peguei o trem para o centro e ninguém veio falar comigo. No último dia chegamos de mochilão e vieram rapidamente perguntar se precisávamos de ajuda.

Em um próximo post escrevo sobre os preparativos para esta viagem e o que não pode faltar na mochila. Ficou muito extenso relatar tudo aqui. Para saber mais detalhes sobre os destinos percorridos, clique nos textos do índice Austrália.

Veja todos os textos sobre esta viagem no post Índice – Mochilão Austrália

Tome Nota

Como chegar: Latam tem voos toda a semana partindo de Santiago. Fui de QUANTAS e recomendo, pena que a companhia aérea não parte mais de Buenos Aires. O vinho argentino na ida e o australiano na volta foram excelentes.

Confirme com a sua hospedagem a melhor forma de TRANSPORTE, em Sydney vi que era fácil chegar de trem, porém caminhei algumas quadras com a minha mochila até descobrir que o serviço de transfer custava o mesmo que o trem e deixava na porta do hostel.

Leve um CELULAR desbloqueado e compre um chip. Gastei A$29 na Virgin para ter 400 créditos que sobraram, facilitaram e salvaram minha vida em algumas situações.

Seguro saúde não é obrigatório, mas recomendável. Ir no hospital com dor de estômago já corre o risco de ser internado até descobrirem que não é nenhuma bactéria contagiosa. O gasto extra será mais caro que a viagem.

13 horas de voo pelo Polo Sul
13 horas de voo pelo Polo Sul
Guia de viagem sobre a Oceania

15 experiências sensacionais em 36 páginas cheias de dicas, vivências e fotos. Tudo vivido e relatado por quatro viajantes em épocas diferentes. Adquira o pdf Grandes Experiências Oceania aqui. >>

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 12 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.