safari no mundo

Maasai Mara, o epicentro do safari mundial


Depois de relatar experiências emocionantes nos cinco destinos visitados no Quênia, chegou a hora de mostrar a cereja do bolo, o nirvana dos fotógrafos e maior santuário selvagem do planeta. O lugar que te leva direto pra dentro de um programa da National Geographic ao vivo e sem intervalos. Bem vindo à Maasai Mara National Reserve, o epicentro do safari mundial!

O parque conhecido pela quinta maior migração do mundo divide seu ecossistema com o vizinho Serengeti, na Tanzânia, e é o melhor lugar para se fazer safari na África devido a sua rica diversidade. São 250 mil hectares em solo vulcânico fértil onde os animais sabem da existência de alimento o ano todo e ainda se transforma em um verdadeiro banquete depois das chuvas de junho. Festim também para fotógrafos, viajantes e amantes da natureza que costumam lotar o parque até meados de outubro.

Pôr do sol épico na savana africana
Pôr do sol épico na savana africana

 

Reserva faz parte dos meus 5 destinos para fotografar

Leopardo na árvore
Leopardo na árvore

Fui antes das chuvas, próximo ao final deste ciclo, e já na primeira saída vi mais vida selvagem do que pude contar. A maioria guepardos (cheetas), mas o ranger (o profissional misto de motorista, guia e entendido de biologia e veterinária) garantiu que o número de leopardos escondidos na copa das árvores é maior. Eu acredito, porque todos os dias avistei o felino mais difícil de ser encontrado na savana, um dos BIG FIVE: leão, leopardo, búfalo, elefante e rinoceronte. Desses, só faltou ver o rinoceronte em Maasai Mara por questão de proteção. O governo decidiu levar todos da espécie para reservas mais seguras como Lewa Wildlife Conservancy, já que os países vizinhos não conseguem conter a caça ilegal e os animais tem livre acesso nas fronteiras.

Passei dois dias inteiros por lá e, além dos safaris pela manhã, tarde e noite, teve nasceres e pores do sol épicos, voo de balão, visita a tribo Maasai (ou Masai) e a contrastante experiência de acampar com muito luxo em ambiente selvagem de verdade. A maioria dos hotéis fica nas áreas de conservação ao redor da reserva, no entanto, só percebi esses limites vendo o mapa porque não existe cerca e durante o safari entrávamos e saíamos apenas seguindo os rastros dos animais na planície.

Sobre a grande migração dos Gnus

É um fenômeno natural dramático entre as oito maravilhas naturais do mundo. Anualmente, gnus deixam o Serengeti rumo a Maasai Mara em busca de água e alimento. Além dos 1,3 milhões de gnus, 200 mil zebras e 18 mil antílopes acompanham e o conjunto é chamariz para os predadores: leopardos, leões e guepardos. Sem falar nos crocodilos esperando ansiosos pelo período das vacas gordas, quer dizer, dos gnus gordos.

Nas margens do Rio Mara é o melhor lugar para presenciar a migração por ser o ponto crítico da jornada. Quando alcançam o rio, ficam parados escolhendo o melhor momento até que um decide ir e todos vão. Saltam em debandada e logo vem os ataques de crocodilos, a fadiga contra fortes correntes, os afogamentos… é um tumulto que gera fotos incríveis com muita poeira e jogo de luzes naturais. As quenianas que viajaram comigo me contaram esta experiência e me deixaram empolgadíssima para voltar nesta época.

Imagina um milhão de gnus nesses campos?
Apenas sete gnus, agora imagina um milhão deles nesses campos?

Veja mais artigos sobre os 10 dias no Quênia:

8 cascatas para o mar – Swahili Beach Hotel

Brunch na savana africana

Luxo e vista no Hemingways Nairóbi

Lewa, o verdadeiro safari camp

Sea Safari e meus dias em Diani Beach

Dois dias na capital do Quênia

Um dia no Kisite Marine Reserve

O paraíso no Quênia (vídeo)

Babies africanos

Emoção e informação no orfanato de elefantes (vídeo)

Safari a cavalo

17 coisas pra fazer antes de morrer

10 dias em 1 minuto (vídeo)

Tome Nota

Quando ir: entre julho e março, sendo agosto e setembro a alta temporada por causa da Migração dos Gnus.

Como chegar: voos diários partem de Nairóbi e de outras regiões. Eu vim de Lewa em uma hora de viagem até a menor pista de pouso que já vi, a Olkiombo Airstrip. Até os tripulantes acharam difícil encontrar na hora de pousar, mesmo assim, o pouso foi tranquilo. A reserva fica 300 km distante da capital do Quênia pela Via Narok. Se for corajoso para ir de carro, opte por modelos 4×4 nas cores bege ou verde para despistar animais selvagens.

Onde ficar em Maasai Mara: minha experiência foi luxo no OLARE MARA KEMPINSKI, em Olare Orok Conservancy, mas existem outras opções mais simples e rústicas no Booking.

Pista de pouso em Maasai Mara

Esta viagem foi patrocinada pelo Kenya Tourism Board.

Fazendo a reserva de hotéis pelos links fornecidos você colabora com as despesas do site.

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 13 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

2 comentários

  1. Excelente post sobre o Quenia!!

    1. Obrigada Cristiano, tem vários posts sobre o país e ainda vou escrever mais dois pra finalizar a série

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.