Literalmente Lagoa do Paraíso


A Lagoa do Paraíso é o lugar perfeito pra relaxar e esquecer da vida deitado em uma rede dentro d’água. Certamente você já deve ter invejado essas fotos assim como eu, principalmente quando necessitamos de férias. Neste caso, deixo um conselho: organize-se e use essas imagens como motivação para a próxima viagem. E, claro, depois também publique fotos de fazer inveja! Aqui seguem as minhas das duas viagens para Jericoacoara e dicas para fazer o passeio.

Lagoa do Paraíso

Lagoa do Paraíso
Lagoa do Paraíso

Localizada em Jijoca de Jericoacoara, no Ceará, os 57 km da Lagoa do Paraíso se formaram a partir da movimentação das dunas barrando alguns córregos da região. O resultado são águas doces, mornas e cristalinas rodeadas por areias brancas que lembram as praias do Caribe. Com a ajuda deste cenário, os empresários souberam aproveitar as margens colocando as redes e criando a estrutura para os visitantes ficarem ainda mais à vontade. Tem banheiros, restaurantes, cadeiras, guarda-sol, equipamento para a prática de esportes e atendimento na beira da praia.

Lagoa vista do buggy
Lagoa vista do buggy

Do caminho pelas dunas é possível ver a lagoa, mas de perto ela é muito mais bonita e de dentro d’água é deslumbrante. São poucas redes, mas não é difícil conseguir uma, basta estar atento e pegar a sua. Agora confesso o quanto cansa ficar sem fazer nada ou só tirar selfies no paraíso. Imaginava ser perfeito para tirar uma soneca, mas o vento e movimentação das pessoas faz a água bater na cara e entrar pelo nariz atrapalhando o repouso. Quem olha ao redor percebe outros atrativos interessantes e assim as pessoas acabam cedendo o lugar para o próximo usar a rede.

Limite da praia e redes afundadas na lagoa
Limite da praia entre os empreendimentos e redes afundadas na lagoa

Restaurantes na Lagoa do Paraíso 

Sitio Paraiso Lagoon

Posando para Sérgio
Posando para Sérgio

Este ano a parada foi  na área do Restaurante Sitio Paraiso Lagoon servindo um belo almoço especializado na culinária local. Antes do almoço, bebi água de coco para refrescar e fomos todos curtir a Lagoa, além da rede, peguei o caiaque e abusei dos bons enquadramentos do bugueiro e filho da proprietária do restaurante Sérgio (passe no Instagram dele).

Camarões com peixe deliciosos
Camarões com peixe deliciosos

Alchymist Beach Club*

Na viagem de 2015, o buggy estacionou no Alchymist Beach Club e passamos por um corredor com um arco chamado Portal do Paraíso que faz todo o sentido quando alcançamos a areia com as palmeiras. Para o almoço, peixes, lagostas e lagostines maravilhosos no espaço também funcional para ver a paisagem. Ao lado tem outro mirante desativado, mas está perigoso de se machucar nos pregos. Eu fui, mas tive receio de cair.

* Alchymist Beach Club estava fechado na última viagem, mas locais dizem ser questão de tempo até reabrir. Se alguém tiver novidades, por favor, deixe nos comentários.

Chegada na praia
Chegada a praia

Veja mais fotos da Lagoa do Paraíso:

Lago do Paraíso, Jericoacoara Lago do Paraíso, Jericoacoara Lago do Paraíso, Jericoacoara Lago do Paraíso, Jericoacoara

No mirante desativado
No mirante desativado

 

Sitio Paraiso Lagoon
No Sitio Paraiso Lagoon

As duas viagens pela Rota das Emoções foram convites do Sebrae, dos Estados Ceará, Maranhão e Piauí, em conjunto com empresários de turismo da Rota e Prisma Consultoria. As dicas e opiniões expressas aqui são de livre expressão do autor.

Tome Nota Lagoa do Paraíso

A Lagoa do Paraíso é considerada área de preservação ambiental onde não pode circular nada à motor, apenas canoas e barco à vela. Inclusive, na segunda ida já estava instituída a taxa de turismo Jericoacoara. A cobrança para entrar no Parque Nacional custa R$ 5 por dia para pessoas entre 13 e 59 anos.

Quando ir: lembra as praias do Caribe depois de chover bastante e isto acontece entre fevereiro e maio. As duas viagens foram em junho e água estava sempre perfeita.

Como chegar: contrate um passeio de buggy e combine o trajeto com o bugueiro. Quem nos levou a primeira vez foi o Neguinho Bugueiro, na segunda fomos com a cooperativa CoopbTurJeri. O valor é fechado para até 4 pessoas, se estiver sozinho ou em dupla diga que pode dividir com outros turistas para pagar menos. Contudo, tem um lado ruim das outras pessoas não quererem ficar tanto tempo por ali. Vi brasileiros reclamando a falta do que fazer na Lagoa do Paraíso e tentavam convencer o bugueiro a voltar antes do combinado. Esta reclamação não faz o menor sentido pra mim, mas sempre pode surgir uma pessoa mala no caminho.

Poderia alugar um buggy, mas não é o recomendado porque as dunas mudam o caminho e é comum atolar. Os bugueiros são experientes no terreno e se ajudam quando precisa. Vimos um exemplo prático quando um Voyage atolou interrompendo o nosso caminho. Saiu um, dois, três… sete caras de dentro pra empurrar! Nosso guia saiu do buggy e disse: vou ajudar esses sem noção ou não vamos sair daqui hoje.

Atolados no caminho
Atolados no caminho

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 13 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.