Casa de Anita

Laguna das baleias, botos e Anitas

Um ano depois de percorrer a Rota Farroupilha no Rio Grande do Sul, chegou a oportunidade de conhecer Laguna, a parte catarinense dessa história. E para deixar a experiência o mais fiel possível, foi a própria Anita Garibaldi quem me guiou pelas ruas históricas do município. Na verdade, era a guia de turismo Tatiana devidamente caracterizada.

Anita Garibaldi é a heroína da República Juliana, assim como Bento Gonçalves é para os gaúchos. No início lutaram pelos mesmos ideais da Revolução Farroupilha (iniciada em 1835) e após, a brava Anita partiu para outros conflitos no Uruguai e na Itália. Sempre junto do seu companheiro Giuseppe Garibaldi.

Eu e Alexandra percorremos a Rota Farroupilha e aqui estamos em Laguna
Eu e Alexandra percorremos a Rota Farroupilha e aqui estamos em Laguna
Personagem de Anita Garibaldi
Personagem de Anita Garibaldi

City tour a pé em Laguna

A segunda cidade mais antiga de Santa Catarina foi fundada em 1676 e tem muita história pra contar, antes e depois de Anita. Para ter uma ideia, Laguna foi um dos dois marcos do Tratado de Tordesilhas firmado quase dois séculos antes para dividir as terras do novo mundo entre Portugal e Espanha. O outro marco fica em Belém do Pará. Apenas o centro histórico abriga 600 prédios tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Nosso passeio começou na estátua em homenagem a Anita e do prédio, em estilo art déco, Cine Teatro Mussi. Seguiu para a casa onde ela morou no século 19 e chegou a Doca. Lugar onde embarcações pequenas ancoram e foi parada do Seival, o famoso navio de Guiseppe Garibaldi construído na Laguna dos Patos e carregado por terra até alcançar o mar.

Cine Teatro Mussi
Cine Teatro Mussi

Seguimos pelo centro histórico ouvindo curiosidades enquanto os moradores cumprimentavam a personagem Anita pelo nome e com sorriso no rosto. Passamos pela Igreja Matriz de Santo Antônio, a Praça Vidal Ramos e a Casa de Anita. Embora muitos pensem que ali foi sua residência, foi apenas o local onde ela se vestiu para o seu primeiro casamento por ser ao lado da igreja e pertencer a um amigo da família. Como é um casa colonial em ponto estratégico, virou o Museu Casa de Anita.

Matriz de Santo Antonio
Matriz de Santo Antonio

O tour terminou na Fonte da Carioca, construída por escravos em 1863 ao lado da também tombada Casa Pinto D’Ulyssea. Diz a lenda que quem bebe daquela água fica eternamente apaixonado por Laguna. Eu fiquei encantada com a temperatura da água naquele dia quente. O motivo são os tanques revestidos de mármore carrara responsáveis por deixar a água gelada. Alguns também a chamam de Fonte dos Enamorados e comentam sobre o poder afrodisíaco da água cristalina que brota da terra.

Fonte da Carioca
Fonte da Carioca

A caminhada levou cerca de duas horas, mas poderia ter sido mais longa se tivéssemos subido até o mirante Nossa Senhora da Glória. Onde dizem ter a melhor vista panorâmica de Laguna.

Casa Pinto D’Ulyssea (1866) é uma réplica de quinta portuguesa revestida com azulejos portugueses
Casa Pinto D’Ulyssea (1866) é uma réplica de quinta portuguesa revestida com azulejos portugueses
Chafariz da Praça Vidal Ramos
Prédio do Centro Histórico de Laguna
Prédio do Centro Histórico de Laguna
Brincando de Giuseppe e Anita
Brincando de Giuseppe e Anita
Pescador feliz com a ajuda dos botos
Pescador feliz com a ajuda dos botos

Interação com botos

Outra atração única é a pesca com auxílio do boto. Os pescadores se posicionam, com suas redes de pesca dentro da água, na Barra dos Moles de Laguna a espera do aviso dos golfinhos sobre a localização do cardume. A ajuda é certeira e todos ficam felizes. Os pescadores com a cesta cheia e os animais com refeição do dia garantida sem grande esforço. A interação acontece há anos e os botos ganharam até nomes como o Chega Mais, o Canivete, o Chileno e outros.

Barra dos Moles de Laguna
Barra dos Moles de Laguna

ENCONTRE HOSPEDAGEM NA CIDADE

Baleias e o que mais fazer em Laguna

No verão tem as praias e o famoso carnaval de Laguna. No inverno tem a pesca artesanal da tainha e na primavera é um dos pontos de observação da Rota da Baleia Franca, motivo principal da minha visita. Mas a história, a paisagem e os frutos do mar estão ali o ano todo.

Em função das lagoas, a produção de camarão é farta e bons restaurantes não faltam. Os mais agradáveis tem as mesas com vista para as lagoas. Como o Restaurante Geraldo, na Barra dos Moles de Laguna.

A minha região preferida é o Farol de Santa Marta, tanto que eu fui várias vezes e nunca havia pegado a balsa para conhecer Laguna. Me contentava com as trilhas e ondas do refúgio alternativo como contei em outro artigo.

Farol de Santa Marta
Farol de Santa Marta

Tome Nota Laguna

Agência receptiva: fale com Cristiano ou Tatiana da Sem Fronteiras Turismo Receptivo para fazer o city tour e diversos passeios em Santa Catarina.

©Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais. Esta viagem foi um convite do SEBRAE SC para promover a Rota da Baleia Franca.

Conheça a história da Rota Farroupilha viajando pelo Rio Grande do Sul

Guia RS pra levar na viagem e ler em qualquer aparelho

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 12 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.