Chapada das mesas

Felicidade em 4 dias na Chapada das Mesas

Mesmo com lindas fotos é complicado traduzir em palavras as sensações de estar na Chapada das Mesas. Por isso, decidi começar por um vídeo mostrando minhas reações e resumo dos quatro dias no paraíso das águas. Como é chamada por abrigar mais de 400 nascentes, 89 cachoeiras catalogadas e 22 rios no sul do Maranhão.

Assim como nas outras chapadas, existe uma energia especial que nos atinge em cheio a cada banho de cachoeira, ou no topo de uma formação rochosa, e se transforma em felicidade. Pelo menos é como eu me sinto e como as pessoas dizem que eu transpareço quando volto desses lugares. Se apenas o fato de estar no meio da natureza já me faz feliz, juntar isso com dias ensolarados, muita água (morna!) e poder bancar a exploradora, é o êxtase!

  • O que é uma chapada?
Basicamente, chapada é uma grande área de terra ou rocha elevada (platôs), geralmente, com topo plano. No Brasil elas se concentram no centro do país sendo as mais famosas: Chapada dos Veadeiros (GO), Chapada Diamantina (BA), Chapada dos Guimarães (MT) e Chapada das Mesas (MA).

Chapada das Mesas

Mas não precisa ser desbravador para aproveitar a Chapada das Mesas. Inclusive, agradar diferentes públicos talvez seja o diferencial da mais desconhecida das chapadas brasileiras. Pra chegar em algumas das sensacionais atrações, como o Santuário da Pedra Caída, não precisa pegar estrada de terra e a trilha é por passarelas acessíveis para cadeirantes. Tudo dentro de um complexo com estrutura hoteleira e parque de aventura.

Características do Bioma Amazônia no Complexo Pedra Caída
Características do Bioma Amazônia no Complexo Pedra Caída

Já em outras, como no Poço Azul, o espírito aventureiro é necessário para enfrentar as estradas de areia e entrar na mata, mas nem exige tanto esforço físico assim. E tem as trilhas complexas para paraísos escondidos, sem estrutura alguma, dentro de propriedades privadas. Estas, conhecidas apenas por locais desbravadores e ainda sem nome, não são poucas e alguns proprietários começam agora a pensar em formas de abrir ao público. Ou seja, ainda tem muito a ser descoberto e explorado na Chapada das Mesas.

Mergulho no azul turquesa do Poço Azul
Poço Azul em Riachão

A começar pelo Parque Nacional da Chapada das Mesas, criado em 2005 para proteger o cerrado e as duas principais cachoeiras de quase viraram hidrelétricas. São 160 mil hectares ainda em processo de manejo. No entanto, a maioria das atrações está fora da área delimitada pelo parque nacional e se espalha por sete municípios: Porto Franco, São João do Paraíso, Balsas, Tasso Fragoso, Estreito, Riachão e Carolina. Desses, passei pelos três últimos, sendo Carolina minha base. Uma cidade na beira do Rio Tocantins com história desde o período colonial e expressividade cultural.

Cachoeira de São Romão no Parque Nacional da Chapada das Mesas
Cachoeira de São Romão no Parque Nacional da Chapada das Mesas

Outra característica que torna a Chapada das Mesas única é a vegetação, uma mescla de cerrado pra quem olha de cima e floresta tropical (bioma Amazônia) quando entramos nas matas ciliares profundas para alcançar nascentes, canyons e cachoeiras. Já quem visualiza do alto ou no sobe e desce da bela rodovia entre Carolina e Riachão, compreende bem o nome observando as formações rochosas de arenito que lembram mesas de diferentes tamanhos.

Nascer do Sol visto do Portal
Nascer do Sol visto do Portal

Tome Nota Chapada das Mesas

Quando ir: A melhor época é relativa porque faz calor o ano todo e a temperatura da água é agradável sempre. Lá só existe verão (seca de junho a outubro) e inverno (chuvas entre novembro e maio), quando as cachoeiras aumentam o volume d’água e ficam impressionantes, mas as piscinas naturais são menos cristalinas e algumas desaparecem. Julho é considerado alta temporada devido ao período de seca e férias escolares, o que pode incomodar quem prefere encontrar lugares tranquilos. Por outro lado, eu fui durante a semana agora em julho e vi uma movimentação razoável ou deserta nos lugares mais afastados.

Como fazer os passeios: As distâncias entre as atrações são consideráveis e a maioria exige veículos 4×4 com motorista experiente em areia fofa. O ideal é contratar uma agência como a CIA DO CERRADO, responsável por todo o meu roteiro. O guia – motorista foi o Wellington que aparece no vídeo e foi uma excelente companhia.

Como chegar a Chapada das Mesas: pode ser de carro, ônibus, barco, avião ou balsa, para quem vem do vizinho Estado do Tocantins. O jeito mais prático é pegar um avião em Brasília e descer direto no recém reinaugurado Aeroporto de Carolina. Mas como estava em São Luís e decidi de última hora, peguei um ônibus intermunicipal até Estreito. E de lá outro até Carolina. Foram 17 horas mais confortáveis que poltrona de avião.

Onde ficar em Carolina: a POUSADA DO LAJES tem quarto amplo e confortável e com equipe bastante atenciosa. O Wifi não funcionou no quarto, mas era agradável usar o computador na recepção. O café da manhã tem uns quitutes caseiros bem bons, frutas e sucos.

RESERVE NO BOOKING  |  CONSULTE VALORES AQUI

Quantos dias ficar na Chapada das Mesas: três dias inteiros é o mínimo para valer a ida até lá, mas o guia Wellington garante que arruma atrativos diferentes para até 15 dias na região. Recomendo de 5 a 7 dias para quem gosta de fazer trilhas e não quer perder o básico.

A única coisa lamentável na Chapada das Mesas são as marcas deixadas pelas pessoas em quase todas as pedras de arenito ao alcance das mãos. São nomes, datas e frases de quem bestamente e inutilmente quis marcar território.

Veículo 4x4 da Cia do Cerrado em frente aos Pilares da Chapada das Mesas
Veículo 4×4 da Cia do Cerrado em frente aos Pilares da Chapada das Mesas

Retomando o tema felicidade, esta foi uma viagem desejada há tanto tempo que nem pensei se seria problema viajar sozinha ou enfrentar horas de estrada até Carolina quando surgiu a oportunidade de complementar o roteiro da Rota das Emoções. E não foi! Afinal, viajar sozinha nos deixa mais observadores e abertos para conhecer pessoas. O resultado foi voltar encantada com as belezas naturais, com os moradores orgulhosos da sua terra e com a semelhante alegria encontrada nos demais viajantes. Agora, tenho muito pra contar…

Siga @blogterritorios no Instagram

 Siga no Instagram         Leia todos os artigos sobre o Maranhão

Acompanhe os próximos posts detalhando cada atrativo visitado e as dicas para aproveitar ao máximo este achado para o ecoturismo:

Foto da Semana #175 – Portal

Foto da Semana #164 – voo das andorinhas

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Os passeios e a hospedagem foram cortesia da Cia do Cerrado e Pousada do Lajes.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 12 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Chame via WhatsApp