Conquistados pela aventura

Conquistados pela aventura

Quase missão cumprida, ainda restam 14 km pela savana até Paratepuy, onde o jeep nos espera.

A nossa cozinha pouco antes do sol nascer
A nossa cozinha pouco antes do sol nascer

Dia 6 Conquistados pela aventura

Despertei antes do sol nascer e aproveitei para registar as primeiras horas no acampamento Tek. Kukenán foi se iluminando aos poucos e dominando a cena, não havia nenhuma nuvem no céu.

Enquanto Francisco preparava o nosso último café da manhã eu brincava com um filhote que morava por ali e observava os outros viajantes.

Francisco na cozinha
Francisco na cozinha
Filhote muito fofo
Filhote muito fofo
Acampamento Tek iluminado
Acampamento Tek iluminado

Dor ali, dor aqui, passei o máximo de peso para o carregador, abasteci minha garrafa d’água e peguei a estrada. Sem as montanhas como objetivo, foi fácil prestar atenção aos detalhes do caminho, mais flores e insetos que passaram desapercebidos no primeiro dia.

Contudo, a vontade de andar de costas para contemplar as montanhas era grande. A sensação de ter superado os limites e trazer a bagagem cheia de vivências faz essa  paisagem ser mais que especial.

Kukenán iluminado pelo sol
Kukenán iluminado pelo sol

Em muitas fotos os tepuis aparecem rodeados por nuvens, acontece pela espessa selva ao redor. O calor tropical faz com que a umidade da floresta suba, condense e forme nuvens pesadas. Como resultado estão quase sempre cobertos, principalmente o Roraima. Foi um presente ver o céu completamente limpo na volta.

Os caminhantes na savana
Os caminhantes na savana

Ao lado direito dava para ver os 5 tepuis da Guiana, no primeiro dia só se via um deles. Nesse momento veio muita vontade de explorar todos eles até chegar no Salto Angel, a cachoeira mais alta do mundo.

Tepuis da Guiana
Tepuis da Guiana
Chegamos todos inteiros e com sorrisos no rosto. Ainda celebramos o feito almoçando um prato típico em uma comunidade próxima. Ali teria artesanato local, mas estava fechado por ser feriado. Assim como as lojas em Santa Elena de Uiarén, famosas por oferecerem bons preços nos importados.
Nosso almoço
Nosso almoço
Frango assado típico
Frango assado típico

Nossa jornada terminou às 18h em Boa Vista, Roraima.

Acompanhe todos os dias da aventura:

Dia 1 – Dia 2 Dia 3 – Dia 4 – Dia 5 – Dia 6. Leia sobre o preparo físico e o que precisa levar na mochila.

Agradecimento especial ao Magno e Francisco, da Roraima Adventures, aos porteadores e aos novos amigos trilheiros Lívia, Eden, Márcia, Luiz e Cristina. Quando será a próxima?

O grupo completo no Ponto Triplo
O grupo completo no Ponto Triplo

Tome Nota

 Quando ir: de outubro a abril seria a melhor época para evitar as chuvas. Por outro lado, de maio a setembro as cachoeiras ficam mais bonitas e aumenta a aura de mistério por causa da névoa. Agora é difícil escapar da chuva fina no topo por ele estar quase sempre coberto por nuvens. Eu tive muita sorte de pegar poucas horas de chuva em dezembro.

Quem levaRORAIMA ADVENTURES é a pioneira no turismo na região e tem guias brasileiros.
Essa aventura também pode ser feita em 8 dias explorando o topo com mais tempo.
Leia também sobre os jardins mais bonitos que já vi
Paisagem de despedida
Paisagem de despedida

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais. Fotos em que apereço são de Luiz Zoldan e o porteador.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site e fotógrafa. Há 11 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo.

4 comentários

  1. Obrigada Gleiber e Thaís! Esse lugar é muito especial e vale todo o esforço.

  2. Que delícia de viagem (apesar da dureza da atividade, ehehehe), foi legal acompanhar sua jornada e ver as imagens dessa aventura. Seu relato faz a gente se sentir um pouco lá também. Beijão, Roberta! E parabéns pelo post!

Deixe uma resposta