fbpx
Soweto

Conheça o Soweto a pé, de bicicleta e com frio na barriga


Sempre digo, o melhor jeito de conhecer uma cidade é caminhando e interagindo com os locais, mas pedalando agrega uma emoção a mais. E se for dos dois jeitos, melhor ainda. Conheci o Soweto em um dia no tour de bicicleta do Lebo’s. Antes do passeio, vou contextualizar o local e seu momento histórico mais expressivo.

Siga @blogterritorios no Instagram

Siga no Instagram      Leia todos os artigos sobre o país

Ainda falta reservar hotel? Veja os visitados na África do Sul

Precisa de seguro viagem? Saiba como comprar online     

Conheça o Soweto

Soweto chegou a ser o maior bairro do mundo, com cerca de 4 milhões de habitantes dentro de Joanesburgo, antes de se tornar cidade em 1983. O nome vem da sigla para South Western Townships (favelas do sudoeste), zonas criadas para servir de moradia para os não brancos trabalhadores das minas de ouro. Conforme as leis do Apartheid, negros, amarelos, vermelhos ou mestiços não poderiam morar perto dos brancos, logo, estas localidades foram crescendo desordenadamente sem os cuidados básicos do governo.

APARTHEID foi uma infeliz política de segregação racial liderada por europeus entre os anos 1948 e 1994 e apenas finalizada com a eleição de Nelson Mandela para presidente do país. Acabada, mas não sucumbida. Afinal os reflexos do Apartheid na África do Sul ainda estão bastante presentes.

Foto da criança morta ao fundo e monumento em frente ao Museu Hector Pieterson
Foto da criança morta ao fundo e monumento em frente ao Museu Hector Pieterson

Na época, o bairro Soweto virou símbolo de resistência ao Apartheid. Era o centro de manifestações estudantis contra o governo e cenário de confrontos sangrentos. Os estudantes não tinham os mesmos direitos e qualidade da educação dado aos brancos, consequentemente, não conseguiam sair da zona de pobreza e eram agredidos quando reivindicavam condições melhores. Em um dos eventos de 1976, a foto de uma criança morta carregada por um amigo sensibilizou o mundo e fortaleceu os moradores do Soweto a continuarem lutando, entre eles Nelson Mandela. Esta e outras histórias são contadas hoje com orgulho por moradores que viveram ou ouviram relatos de seus pais.

Orlando Towers revitalizada com grafite
Orlando Towers revitalizada com grafite
Antes eram torres de uma usina termoelétrica
Antes eram torres de uma usina termoelétrica

O turismo se desenvolveu rápido para a Copa do Mundo de 2010 e continua recebendo gente do mundo todo com muita simpatia. Ali foi construído o maior estádio do país – FNB Stadium, além de ter museus revitalizados e novos pontos turísticos. Todos fazem parte do roteiro de bicicleta organizado pelo Lebo’s Soweto Backbackers, onde passei a noite e parti para o passeio de 4 horas pela manhã.

Eu pedalando no Soweto
Eu pedalando no Soweto

Andar de bicicleta pelo Soweto

O guia super divertido
O guia super divertido

O tour é um excelente ponto de partida para entender a África do Sul nos dias atuais e ter uma visão das diferentes faces da cidade. Tem favela com problemas de saneamento, tem classe média e tem mansões convivendo em harmonia e respeito. Quem ganhou dinheiro faz questão de continuar morando ali e ajuda a trazer o desenvolvimento como visto na famosa Vilakazi Street. Rua onde morou dois premiados com o Nobel da Paz: arcebispo Desmond Tutu (1984) e Nelson Mandela (1993).

A atividade começa pedalando até um ponto alto, onde acontece uma introdução sobre a cidade e seus moradores ilustres. Depois seguimos até uma favela para a caminhada e ao final degustação da comida local dentro de um container: bochecha de vaca com pão e farinha acompanhados pela cerveja local. Pelo menos o que chamam de cerveja, o líquido fermentado era a bebida alcoólica econômica para fazer em casa na época do Apartheid e eles adoram até hoje. Tem versões industrializadas e até sem álcool.

Cervejas com e sem álcool
Cervejas com e sem álcool
Cris Marques captou bem o meu status não curti compartilhar a cerveja
Cris Marques captou bem o meu status não curti compartilhar a cerveja

Pior é o jeito como compartilham a bebida entre os turistas e moradores dividindo o mesmo pote. A única parte desagradável do passeio é esta questão de higiene, por outro lado, se queremos conhecer a verdadeira cultura local, é complicado fazer desfeitas. Assim como é difícil beber algo feito em meio ao esgoto à céu aberto. Enfim, gostei da carne, mas na hora da cerveja compartilhada (africanos amam compartilhar) me senti obrigada a fingir o gole porque o cheiro era bem ruim. E você o que faria?

Vendedor na feira de artesanato
Vendedor na feira de artesanato

Na continuação paramos em pontos históricos e turísticos como o Museu Hector Pieterson, hotel dos imigrantes, feira de artesanato e Museu da Família Mandela. O ideal é visitar tudo com tempo na opção de um dia inteiro, no tour reduzido apenas passamos na frente. E teve até parada para um velório passar, mulheres vestidas de vermelho seguiam cantando pelas ruas para homenagear a morta.

O velório
O velório

Agora, o melhor de toda esta experiência foram as crianças. Que alegria contagiante elas traziam levantando as mãozinhas e gritando Hi five! Paravam tudo e vinham correndo pra sentir a nossa palma da mão tocar a delas. Nestas horas foi preciso treinar a habilidade de cumprimentar uma a uma sem cair da bicicleta ou ser atropelada. Treinamento feito com o maior prazer. E diferente do imaginado pela maioria dos brasileiros quando visita uma favela, em nenhum momento me pediram algo ou encaram com malícia. Tudo era espontâneo da parte deles e da nossa. Nosso grupo era formado por turistas europeus e australianos.

As crianças dando hi five na favela
As crianças dando hi five na favela
Casa onde morou Mandela virou museu
Casa onde morou Mandela virou museu
Casa do Nóbel da Paz Tutu
Casa do Nóbel da Paz Tutu
Sinalização turística
Sinalização turística
Vendedor de galinhas na favela
Vendedor de galinhas na favela

 

 

E o frio na barriga? A adrenalina a seguir nas Orlando Towers

Orlando towers são facilmente vistas na paisagem
Orlando towers são facilmente vistas na paisagem

Na tarde o passeio foi outro, mas a ansiedade estava presente durante toda a manhã porque as torres Orlando estavam quase sempre visíveis no horizonte. Eram parte de uma usina termoelétrica chamado Orlando que virou parque de aventuras e trouxe cara nova a cidade com os enormes grafites.

Ali me joguei 40 metros em queda livre dentro de uma das torres de 100 metros de altura. A atração se chama SCAD FREE FALL e já mostrei em vídeo (clique no link do nome). O parque tem várias atividades como bungee jump, escalada, bar animado e outras pra trazer ótimas lembranças pra casa.

Guilherme foi de bungee jump
Guilherme foi de bungee jump

O projeto Blogueiros na África do Sul (#DescubraAfricadoSul) foi uma realização do Travel Concept Solution e apoio da Pangea TrailsSouth African AirwaysDetecta Hotel e incentivo da agência nacional de turismo (South African Tourism), da cidade de Joanesburgo (Joburg Tourism) e também de Cape Town (Cape Town Tourism). A viagem foi patrocinada, mas as opiniões aqui expressas são de livre expressão do autor. Veja também os blogs que participaram da viagem: Dentro de MochilãoTerritóriosViajando com Eles e Viagem Criativa.

Acompanhe todos os posts sobre esta viagem no artigo resumo – 33 dias em 5 minutos.

Tome Nota Soweto

Soweto não tem a melhor fama quando se trata de segurança, mas eu me senti segura carregando equipamento fotográfico ao andar junto com o grupo. Achei mais tranquilo do que muitas cidades brasileiras, mas sim, devemos estar sempre atentos.

Agende o passeio de bicicleta no site do LEBO’S SOWETO BACKPACKERS. Quem não pedala, pode escolher transporte em tuk tuk ou os roteiros a pé. Tem opções para 2 horas, 4 horas ou dia inteiro de atividades. Também é um hostel simples e amigável. Te áreas internas ao ar livre e quartos compartilhados na rua 10823A Poo St.

RESERVE NO BOOKING

ORLANDO TOWERS abre de sexta a domingo das 10h até o pôr do sol no endereço Klipspruit 318-lq.

Hostel organiza passeios de bike pelo Soweto
Bicicletas na frente do Lebo’s

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site, fotógrafa e guia de turismo. Há 13 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo. Saiba mais na página da autora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.