Gelo Sul da Patagônia

Campo de Gelo Sul da Patagônia – o dia-a-dia

O dia-a-dia da travessia do Campo de Gelo Sul. Os dois primeiros dias foram de preparo em El Chaltén, leia aqui.

Dia 3: ansiedade, medo e cansaço

Sair da barraca e estar ali, naquele momento, encarando uma montanha, um caminho de gelo e fortes ventos.., com certeza não estávamos na praia, apesar de nosso acampamento se chamar “la playta”. Seguindo o caminho, chegamos ao Glaciar Marconi, olhares desconfiados e medrosos… por onde vamos subir, como vamos subir e… que tal voltar para a cidade, hein?!

Glacial Marconi
Glacial Marconi
Andando encordados
Andando encordados

Pois bem, colocamos os grampos nas botas e lá fomos nós, passo a passo, ganhando a montanha e vencendo os medos. O Glaciar Marconi mostrou-se generoso. A partir daquele dia, por toda a expedição, o clima foi sensacional, sem chuvas, sem nevascas e pouco vento. Apesar das dificuldades, foi um grande dia, difícil, mas não menos bonito.

Entrar no glaciar me fez pensar nos grandes exploradores de séculos passados, estava com uma sensação de conhecer o que ninguém conheceu, de viver o que ninguém viveu, um prazer enorme e felicidade de quem realmente gosta de viver a vida intensamente. A ficha começa a cair… estamos na Cordilheira do Andes entrando no Campo de Gelo. Após uma caminhada no gelo duro, paramos para engatar as cordas, pois entraríamos num trecho nevado e tínhamos que andar encordados.

Curtindo a paisagem
Curtindo a paisagem
Barracas aguentaram
Barracas aguentaram

Depois um trecho de escalada em pedras com grampos (vocês não imaginam a dificuldade de escalar pedras, usando grampos nas botas), passado este “perrengue” iniciamos um trecho de gretas, muita atenção e tensão no grupo e inevitavelmente nos levou ao stress e ao cansaço antecipado.

Havíamos planejado dormir no Refúgio Chileno (como o nome sugere, o refúgio fica do lado chileno, pois ora estávamos do lado chileno, ora do lado argentino), mas não tínhamos pernas para mais duas horas de caminhada na neve e entre gretas, então montamos nossas barracas antes do previsto.

Dia 4: o campo de gelo

RONALDO, MELISSA, DIEINI E PETRONIO, TENEMOS QUE VOLVER – DISSE O GUIA. – COMO ASSIM VOLVER?
NO ME COMPREENDES? TENEMOS QUE VOLVER POR LA MONTANA, PERO ESTA MUY PELIGROSO CAMINAR POR LAS GRIETAS…

Paisagens brancas
Paisagens brancas

Ufa! Era só um sonho!

Mas este dia não seria muito diferente de um sonho. Estávamos a menos de 500 m da entrada no campo de gelo e após colocarmos roupas impermeáveis, raquetes e as cordas para segurança seguimos para o nosso sonho… naquele momento, não sabíamos se sorríamos ou chorávamos, mas lá estávamos nós, entrando no campo de gelo sul da Patagônia… entrávamos em outro mundo, entrávamos em um sonho.

Paisagens brancas que se perdiam no horizonte, paisagens que clareavam nossos olhos e nossos pensamentos que simplesmente se perdiam. Após algumas horas de caminhada, montamos acampamento em um lugar de indescritível beleza, chamado Círculo de los Altares, perfeito para sentar e observar aquele lado selvagem da natureza. Até aqui tudo bem, mas com o final do dia e a chegada da noite, que era de uma lua cheia que explodia no céu, veio também o vento, que perdurou até o dia seguinte, atormentando nossos pensamentos, deixando nosso sonho com cara de pesadelo.

Acampamento
Acampamento

Será que vamos sair voando? As barracas aguentam? Pois é, o vento passava de 100 km/h, mas todos e tudo aguentaram.

Sensação de não sair do lugar
Sensação de não sair do lugar

Dia 5: mais um dia no campo de gelo

Após uma noite não muito bem dormida, por causa da brisa que soprou a mais 100km/h, seguimos rumo ao nosso próximo acampamento na Laguna de los Esquies e fora do campo de gelo. Um fato interessante, que foi unanimidade entre os expedicionários, foi a sensação de caminhar e quase não sair do lugar. Lembro que marcava um ponto, um pico de uma montanha, por exemplo, media a minha distância e caminhava, caminhava, caminhava e nunca chegava. Claro que num determinado momento chegava, mas a noção para medir a distância ficava muito distorcida e o ponto de referência muito distante. Além da distância, o tempo de caminhada também parecia diferente, pois caminhávamos todos encordados e num bom ritmo, e quando parávamos parecia que havíamos caminhado somente 2/3 km, mas na verdade já havíamos percorrido no mínimo o dobro desta distância.

Reflexo da caminhada pesada
Reflexo da caminhada pesada

À medida que caminhávamos, podíamos avistar o início dos Glaciares Viedma e Upsala. Algumas pedras ficavam evidentes na superfície do gelo e a quantidade de gretas também aumentava. Naquele momento estávamos saindo do campo de gelo e caminhando sobre o glaciar Viedma, que nos acompanharia até o final da expedição. Neste dia acampamos na Laguna de los Esquies.

Pedras
Pedras

 

 

 

Dia 6 e 7: um caminho interminável de pedras

A partir do acampamento na Laguna de los Esquies até o acampamento localizado no Passo Huemul foram dois dias de intermináveis pedras. O risco de uma torção de tornozelo, joelho ou uma queda era eminente, sendo que desde o início da expedição pelo menos cada um de nós sofreu alguma queda. Para o nosso conforto, a medida que íamos descendo e saindo do campo de gelo, que tem sua altitude máxima nos 1.500m, a paisagem se mostrava diferente e mais viva, com algumas gramíneas, flores, besouros e borboletas. Seguindo nosso caminho até o acampamento no Passo Huemul, fomos acompanhados pelo Glaciar Viedma, o maior da região. Em alguns momentos, a trilha ladeava penhascos profundos de mais de 200m, e para aumentar o stress, o vento da Patagônia se fez presente novamente, aumentando os riscos.

No último trecho, tivemos que subir a montanha com um vento de 130km vindo pelas costas. Foi um inferno, um horror, quase saímos voando. As lentes dos óculos da Melissa simplesmente saíram da armação e foram levados pelo vento.., que baita perrengue, hein!! Depois do susto e descendo a montanha, a vegetação de lengas já se fazia presente e foi ali, protegidos do vento que soprou durante toda a noite, que montamos nossas barracas e passamos a última noite da expedição.

Paisagem
Paisagem

Dia 8: banho quente, café com Leite, colchão, Lençol…

Depois de um vento que atormentou a todos, decidimos que naquele mesmo dia voltaríamos para El Chaltén, apesar de que o programado era ficar mais um dia na montanha.

Acampamento Passo Huemul
Acampamento Passo Huemul

Com um nascer de Sol magnífico, descemos a montanha até o píer da Laguna Toro, local onde a lancha iria embarcar todos que estavam retomando de atividades na montanha, inclusive nós.

Após sete dias de expedição, mochilas pesadas, ventos fortíssimos, comida desidratada, bolachinhas e barra de cereal, voltamos para o banho quente, para a pizza e a carne suculenta, para o refrigerante e o vinho, enfim, voltamos! Voltamos cansados e saudosos do conforto, mas extremamente felizes e satisfeitos, certos de que as montanhas, a neve, o vento e o gelo, a partir de agora, fazem parte da história de nossas vidas.

Ronaldo Mendonça é sócio da agência Eco-Caminhantes.

Fotos de Ronaldo, Melissa Bocchi, Dieini Dias e Petrônio Capparelli. Para ver mais acesse o site Eco-Caminhantes.

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais.

Leia mais sobre a Patagonia argentina:

Compras no fim do mundo

O parque do fim do mundo

Caminhe entre os pinguins

El Calafate

Laguna Nimez

O impressionante Perito Moreno

Trilhando a Patagônia

Él Chalten, a capital do trekking

Parque Nacional de los Glaciares

Trekking em Perito Moreno

Leitores

Leitores

Relatos e fotos dos leitores que amam viajar e enviam suas histórias incríveis pelo mundo.

Deixe uma resposta