Hotel safari camp Kempinski

Acampamento luxuoso e selvagem no Olare Mara Kempinski

Olare Mara Kempinski é o hotel onde os hóspedes usam a expressão UAU! com frequência. A começar pela localização no meio da savana do Quênia, somado ao conceito de uma das marcas de hospedagem mais luxuosas do mundo e o atendimento humanizado dos quenianos.

Interior da minha barraca
Interior da minha barraca

Olare Mara Kempinski

Barraca de lona em território selvagem, jantar ao redor da fogueira e janelas de tela, pronto, a ideia de acampamento termina por aí. Basta abrir o fecho da porta para se sentir no mais confortável dos hotéis. Piso de madeira, obras de arte, tapetes e cama gigante são a primeira visão, viro para o lado e vejo uma sala ampla com janelas para a savana e varanda com vista para um riacho cheio de hipopótamos. No fundo outra peça com chuveiro, banheira e toalete privado. UAU!

Barraca só por fora, espaço e luxo por dentro
Barraca só por fora, espaço e luxo por dentro

As divisórias são de gesso, paredes e telhado são de lona, tem água quente, espelhos, telefone e tomadas com energia elétrica. São treze barracas com privacidade garantida, em 700 acres pra cada, e uma delas especial para lua de mel com ofurô na varanda. Todas ficam ao redor da casa principal onde as refeições são servidas e tem áreas de lazer como sala de leitura, piscina e mesas ao ar livre, sempre com alguém por perto para nos servir.

Banheira com vista pra savana
Banheira com vista pra savana

banheiro no Olare Mara Kempinski banheiro no Olare Mara Kempinski

 

Safari é a maior atração Olare Mara Kempinski

Além de aproveitar o conforto e relaxar, o mais interessante são os safaris. A atividade ocupa quase todo o tempo da estadia e acontece de manhã cedo ou final da tarde. O Quênia tem muitas savanas, mas está é uma das melhores para safari. O hotel está localizado às margens do Rio Ntiakitiak, em Olare Montorogi Conservancy. O parque privado compartilha o mesmo ecossistema e fica ao lado de Maasai Mara, local da quinta maior migração de animais do mundo – a migração dos gnus. Ciclo anual que movimenta também zebras e antílopes da Tanzânia para o Quênia em busca de alimentos após o período de chuvas. Mas a abundância de comida dura o ano todo fazendo do local parada perfeita para uma aventura selvagem de verdade.

Saiba o que é Safari com dicas aqui

Família de Gnus em Massai Mara, nos meses de agosto e setembro eles são a maioria no parque
Família de Gnus em Massai Mara, nos meses de agosto e setembro eles são a maioria no parque
Maasais trabalham com suas roupas tradicionais e auxiliam os hóspedes
Maasais trabalham com suas roupas tradicionais e auxiliam os hóspedes

Olare Mara Kempinski não tem cercas, ruas iluminadas ou câmeras alertando a presença dos animais. Eles estão por ali e a ideia é se sentir parte disso. Claro que alguns cuidados devem ser tomados como nunca ir sozinho até a barraca ou tentar contato físico com os animais. Maasais, acostumados a viver ali desde sempre, estão entre os funcionários do hotel e acompanham nos trajetos externos, pra isso existe o telefone dentro da barraca.

A minha primeira noite não foi tranquila, talvez fosse a ansiedade do dia seguinte (o tão aguardado passeio de balão) ou o vendaval que fazia lá fora. Apesar do espaço enorme, quando fechava os olhos os barulhos da noite e do vento batendo na lona eram os mesmos de uma pequena barraca iglu. Mas havia um ruído desconhecido do lado de fora e resolvi abrir o fecho da janela (um pedaço da lona, a tela continuava bem fechada) para espiar… UAU! Havia um hipopótamo bem pertinho!

A barraca onde dormi duas noites sozinha
A barraca onde dormi duas noites sozinha
Ranger Raphael, conhecimento na prática e muita simpátia
De um lado eu via a minha barraca e …
... do outro lado havia um leopardo. UAU!
… do outro lado havia um leopardo. UAU!

 

 

 

 

 

Bolsa de água quente em baixo do cobertor
Bolsa de água quente em baixo do cobertor

Talvez dormir sozinha na barraca não seja uma boa ideia, mas se o bicho resolvesse atacar, não iria fazer a menor diferença. Então mergulhei naquela cama com espaço para dez Robertas e encontrei o conforto para esquecer o medo, duas bolsas de água ainda quente e um cobertor aconchegante. Só foi difícil sair dali quando o telefone tocou com a mensagem – Good morning! Wake up call. (chamada para despertar).

Conheça os selvagens animais africanos aqui

Cama enorme e muito confortavel
Cama enorme e muito confortável
Cozinheiro e ajudante preparando o café da manhã na hora
Cozinheiro e ajudante preparando o café da manhã na hora

Atendimento acolhedor

Enquanto estávamos na savana ou na casa principal, os funcionários discretamente preparavam o quarto abrindo ou fechando as janelas, deixando a cama pronta para dormir e arrumando a minha bagunça, além dos serviços tradicionais de hotéis cinco estrelas. O fato do extremo luxo não interferir no atendimento humanizado, me impressionou. Os quenianos eram discretos, mas de uma simpatia verdadeira quando alguém puxava assunto. Na maioria dos hotéis que já me hospedei na África os funcionários mais importantes são europeus, ali todos são do Quênia. Um fato marcante foi o gerente do hotel pedir para os hospedes assinarem o cartão de aniversário do cozinheiro e no dia seguinte cantamos parabéns pra ele no café da manhã. Ele se emocionou e foi abraçado por todos. Depois preparou omeletes deliciosos na maior felicidade.

Jantar na volta da fogueira
Jantar de despedida na volta da fogueira
Ranger Raphael, conhecimento na prática e muita simpátia
Com o ranger Raphael, conhecimento na prática e muita simpátia

O motorista do hotel também foi o melhor guia em safari que já conheci e uma companhia agradável nos dias em Maasai Mara. Quando chegamos no minúsculo aeroporto, Raphael nos aguardava pronto para o primeiro safari na região. Não estava no roteiro, mas até chegarmos ao “acampamento” passamos por leões, búfalos, gnus e outros animais. Raphael parava sempre que via algo interessante e respondia todas as nossas perguntas com a maior atenção e conhecimento. Inclusive me ajudou a tirar a foto abaixo que conto em detalhes neste texto. Ele ficou à nossa disposição para os safaris, transporte até o avião e nos levou em outros passeios como a visita a tribo Maasai ou voo de balão.

Silhueta da girafa no pôr do sol
Silhueta da girafa no pôr do sol
Tapada com o cobertor Maasai
Me esquentando com o cobertor Maasai

Finais de tarde inesquecíveis

A tarde sempre termina com um sensacional pôr do sol, seja da varanda da barraca, de dentro do jeep ou com lanche preparado em ponto estratégico para brindarmos mais um dia incrível. Mesmo com calor durante o dia, este momento refresca bastante e o pessoal do hotel pensa em tudo. Casacos quentinhos nos esperavam além das mantas maasais que estavam sempre à disposição para cada ocupante do jeep.

Happy Hour na savana
Happy Hour na savana

Se achou útil, Flip it! Se gostou das imagens, Pin it!

Tome Nota: Olare Mara Kempinski

As diárias incluem coquetel de boas vindas, café da manhã, almoço, janta e lanche preparados pelo chef que utiliza ingredientes da horta orgânica do próprio hotel em pratos contemporâneos. Não existem restaurantes ou cidades próximas.

Jantar
Jantar

Café da manhã
Café da manhã

 

 

 

 

 

Veja mais resenhas e faça a sua reserva no OLARE MARA KEMPINSKI, hotel da rede Kempinski, nos te do Booking.com. A experiência tem um valor alto, mas comparada aos preços praticados nos hotéis de luxo no Brasil, acaba sendo um excelente custo benefício. Se gostou do estilo de hospedagem, mas não pretende ir até a África ou quer evitar os animais, tem opções interessantes por aqui e conto neste artigo.

Como chegar: voos diários partem da capital e eventualmente de outras regiões para uma pista de pouso próxima ao hotel. Outra alternativa é pela Via Narok, distante 6h de Nairóbi. Neste caso é recomendado dirigir veículos 4×4 nas cores bege ou verde para não atrair animais selvagens.

Receba dicas no seu email ao assinar nossa  lista sobre a África.

Motoristas esperam os novos hospedes na pista de pouso com carros apropriados para a região
Motoristas esperam os novos hospedes na pista de pouso com carros apropriados para a região

Esta viagem foi patrocinada pelo Kenya Tourism Board.

© Todos os direitos reservados. Fotos e relato 100% originais. Fazendo a reserva de hotéis pelos links fornecidos você colabora com as despesas do site.

Veja todos os posts sobre os 10 dias no Quênia:

Brunch na savana africana

Luxo e vista no Hemingways Nairóbi

Lewa, o verdadeiro safari camp

Sea Safari e meus dias em Diani Beach

Dois dias na capital do Quênia

Um dia no Kisite Marine Reserve

O paraíso no Quênia (vídeo)

Babies africanos

Voo de balão

Safari a cavalo

17 coisas pra fazer antes de morrer

10 dias em 1 minuto (vídeo)

10
10
Roberta Martins

Roberta Martins

Publicitária, geradora de conteúdo sobre turismo, idealizadora deste site e fotógrafa. Há 11 anos relata suas experiências de viagem focando em cultura e ecoturismo.

1 comment

  1. Nunca tinha pensado em ir no Quenia, mas com o conforto do Kempinsky não tem como não amar né? Adorei!

Deixe uma resposta